Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
26 de junho de 2019, 11h39

Moro deve ser afastado imediatamente, diz coluna assinada por políticos de cinco partidos

Texto publicado nesta quarta-feira aponta vícios no julgamento de Lula revelados na Vaza Jato e defende que operação contra corrupção não pode se corromper

Coluna chama audiências com Lula de "showzinho do ex-juiz", ao não permitir que defesa fosse ouvida de fato (Reprodução)

Moro deve ser imediatamente afastado do cargo e o julgamento de Lula pelo ex-juiz da Lava Jato, anulado, defendem em coluna da Folha de S.Paulo desta quarta-feira (26) políticos de cinco partidos, incluindo o ex-candidato à presidência e professor de direito Fernando Haddad (PT).

“A Lava Jato se ergueu em torno do tema da corrupção. Agora, mesmo os que a defendem têm o dever de afastá-la deste mesmo pecado: o da corrupção. Pois não há outra palavra para definir o que ocorreu nesse lamentável episódio. Os fins não justificam os meios. E fraudar os meios corrompe o direito e a Justiça”, afirmam os seis autores da coluna.

O texto, assinado por Haddad em conjunto com o governador do Maranhão, Flávio Dino (PC do B), Guilherme Boulos (PSOL), Ricardo Coutinho (PSB-PB), Roberto Requião (MDB) e Sônia Guajajara (PSOL) menciona os diálogos entre Moro e o procurador da república Deltan Dallagnol revelados pelo site The Intercept.

As conversas entre o juiz e o chefe da força-tarefa da Lava Jato no MPF (Ministério Público Federal) revelaram que Moro liderava e direcionava a acusação na obtenção de provas e estratégias no tribunal. “Não é normal um processo de fachada, em que o juiz presidia a investigação, ajudava a formular a acusação, indicava e produzia provas e, depois, sentenciava com base nos seus próprios conselhos e orientações transmitidos ao procurador amigo”, diz a coluna, que ressalta ainda Moro ter se beneficiado pessoalmente do resultado eleitoral que ajudou a construir ao condenar Lula.

Com três advogados entre seus autores, a nota rebate as acusações, por parte de Moro, de que as mensagens teriam sido obtidas pelo jornalista Glenn Greenwald e sua equipe por meios ilegais. Greenwald foi nesta terça-feira à Câmara dos Deputados explicar seu trabalho.

“Não há provas, até o momento, de que os diálogos foram obtidos de forma ilegal, com ajuda de um hacker ou espionagem. Grupos de mensagens em aplicativos têm muitos participantes; qualquer um deles pode inclusive ter copiado arquivos e entregado legalmente, visto que o sigilo de fonte é garantido à imprensa” diz o texto publicado hoje, e completa:

“A doutrina e a jurisprudência admitem o uso de qualquer prova, mesmo que tenha sido ilegalmente obtida, para preservar ou restabelecer a liberdade de um acusado, em face do princípio da proporcionalidade”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum