Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de fevereiro de 2019, 22h48

Moro disse que “o presidente não sustentava a escolha na base dele”, revela Ilona Szabó

Em entrevista ao Estado de S.Paulo, cientista política disse que o MBL ajudou a “reverberar” a pressão nas redes e que o ministro da Justiça lamentou a decisão e pediu desculpas por sua exoneração

Foto: Reprodução/YouTube

A cientista política Ilona Szabó, diretora do Instituto Igarapé, esteve envolvida em mais uma polêmica protagonizada pelo governo de Jair Bolsonaro. Nesta quarta-feira (27), ela foi nomeada por Sérgio Moro para integrar o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária.

Porém, nesta quinta (28), depois de inúmeros protestos nas redes sociais de apoiadores de Jair Bolsonaro, o ministro da Justiça voltou atrás e revogou a nomeação de Ilona.

Em entrevista a João Gabriel de Lima, para O Estado de S.Paulo, ela confirmou que quem a convidou para o cargo foi mesmo Sérgio Moro. “Ele me mandou um e-mail no dia 22. Dizia que eu seria suplente num primeiro momento, mas que suplentes e titulares seriam ouvidos igualmente, e que esperaria a primeira oportunidade para me tornar titular”.

Em outro trecho da entrevista, Ilona conta que tomou conhecimento de sua exoneração nesta quinta: “Soube hoje (28). Ontem, quarta-feira, dia 27, estivemos com o ministro Sérgio Moro e sua equipe em Brasília. Ele havia feito esse convite já em Davos, mas ainda não havia concretizado por problemas de agenda. Expusemos os números e metodologias do Igarapé – como eu disse, temos, como o ministro, uma agenda técnica, de combate ao crime, sempre baseando-se em evidências. Foi uma conversa ótima”.

No entanto, o cenário mudou de quarta para quinta: “Hoje começaram os comentários nas redes sociais. Foi a polêmica do dia. Colocaram a história na rede, e o Movimento Brasil Livre (MBL) ajudou a reverberar. São grupos que precisam de inimigos, e por isso não estão comprometidos com o debate democrático. Hoje cedo eu estava sentindo a temperatura bastante quente. Mandei uma mensagem para a chefe de gabinete. O ministro Sérgio Moro me ligou de volta. Dado o clima, eu sabia que o risco existia. O ministro me pediu desculpas. Disse que ele lamentava, mas estava sendo pressionado, porque o presidente Bolsonaro não sustentava a escolha na base dele”.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum