Moro escala Força Nacional por 33 dias na Esplanada dos Ministérios para reprimir manifestações

Há a expectativa de uma marcha de indígenas e atos de movimentos sociais para os próximos dias. O acampamento de indígenas em Brasília foi alvo de críticas de Bolsonaro, que durante live no Facebook, se referiu ao evento como "encontrão" e disse que quem iria pagar a conta seria o "contribuinte"

Portaria publicada nesta quarta-feira (17) do Diário Oficial da União assinada pelo ministro Sérgio Moro autoriza o emprego da Força Nacional de Segurança Pública na Esplanada dos Ministérios, em Brasília, por 33 dias a partir de hoje.

Segundo o documento, a portaria atende a um pedido do Gabinete de Segurança Institucional (GSI) da Presidência da República, “no qual solicita o emprego da Força Nacional de Segurança Pública na região da Praça dos Três Poderes e da Esplanada dos Ministérios”.

A operação teria o intuito de “preservação da ordem pública e da incolumidade das pessoas e do patrimônio, na defesa dos bens e dos próprios da União”. Entretanto, na prática, a Força Nacional está sendo escalada para reprimir manifestações marcadas para o local.

Há a expectativa de uma marcha de indígenas e atos de movimentos sociais para os próximos dias.

As manifestações de indígenas em Brasília fazem parte do ATL (Acampamento Terra Livre), uma marcha de indígenas de diversas partes do Brasil à capital federal que ocorre há 15 anos. Neste ano, o acampamento está previsto para acontecer entre os dias 24 e 26 de abril. Em 19 de abril, celebra-se o Dia do Índio.

O acampamento de indígenas em Brasília foi alvo de críticas do presidente Jair Bolsonaro (PSL), na semana passada. Durante uma transmissão ao vivo via Facebook, o presidente se referiu ao evento como “encontrão” e disse que quem iria pagar a conta seria o “contribuinte”.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR