Entrevista exclusiva com Lula
19 de junho de 2019, 17h11

Moro no Senado: “Se houver irregularidade, eu saio do cargo”

O ex-juiz da Lava Jato e agora ministro da Justiça é sabatinado na CCJ desde a manhã, repetindo respostas visando desqualificar a Vaza Jato

Foto: Pedro França/Agência Senado

O ministro da Justiça, Sérgio Moro, disse nesta quarta-feira (19) a senadores que não se agarra ao cargo e que, se comprovadas irregularidades de sua parte frente à operação Lava Jato, pedirá demissão. Moro é sabatinado na Comissão de Constituição e Justiça do Senado sobre as conversas vazadas pelo site The Intercept Brasil entre ele e o promotor chefe da força-tarefa da Lava Jato, Deltan Dallagnol, que indicam que o então juiz da operação coordenou as ações do Ministério Público (MP).

“Não tenho apelo pelo cargo em si. O site que mostre tudo, todas as conversas, e se houver irregularidade, eu saio do cargo” disse Moro ao responder o senador Jaques Wagner (PT-BA), que havia questionado se ele cogitava deixar o Ministério da Justiça.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Desde o início da sabatina, pela manhã, Moro seguiu repetindo a mesmo discurso, pedindo que o site e os jornalistas responsáveis publiquem e entreguem as conversas obtidas por meio “ilegal”, segundo ele. Também repetiu que o que Glenn Greenwald, diretor do Intercept, e sua equipe fazem, seria sensacionalismo, o que foi criticado pelo senador petista.

“Vossa excelência fala tanto em sensacionalismo; é sensacionalista divulgar os áudios da ex-presidente Dilma Rousseff? É sensacionalismo praticamente colocar no pelourinho a dignidade de pessoas das quais deveria ser mantido o sigilo que muitas vezes são julgadas pelo público?”, questionou Wagner, mencionando o caso da Escola Base, que foi informalmente condenada publicamente e posteriormente inocentada de uma acusação de abuso sexual infantil.

Para Moro, as mensagens mostradas até agora são “completamente normais”, embora ele tenha afirmado que não pode reconhecer a autenticidade do material revelado pelo site. Mais cedo, o ex-juiz disse não lembrar das mensagens mencionadas nas reportagens e que não poderia recuperá-las dos servidores por já haver apagado o aplicativo há mais de um ano, sendo desmentido.

O senador Weverton Rocha (PDT-MA), por sua vez, questionou o fato de o ministro repetidamente atacar o caráter das mensagens vazadas, ao invés de contestar seu conteúdo. “No seu pacote anticorrupção o senhor apoiou o uso de provas obtidas por meio ilícitos; por que agora as provas ilícitas de seus diálogos não valem?”, questionou o senador.

Outro colega de partido de Rocha, Cid Gomes sinalizou com a abertura de uma CPI no Senado para investigar as denúncias apresentadas pela Vaza Jato.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum