Mourão garante eleições: “Não somos república de banana”

Declaração do vice-presidente é resposta ao ministro da Defesa, Braga Netto, que ameaçou o presidente da Câmara, caso a proposta do voto impresso não seja aprovada

O vice-presidente da República, general Hamilton Mourão, desmentiu, nesta quinta-feira (22), as ameaças do também general Walter Braga Netto ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL). O ministro da Defesa afirmou que as eleições de 2022 não aconteceriam, caso a proposta do voto impresso não fosse aprovada.

“É lógico que vai ter eleição. Quem é que vai proibir eleição no Brasil? Por favor, gente. Isso aí… Nós não somos república de banana”, disse, ao chegar ao Palácio do Planalto, no início da tarde. 

Cerca de 24 horas depois de assinar uma nota com ameaças golpistas junto aos comandantes das Forças Armadas, Braga Netto mandou um duro recado ao presidente da Câmara, reforçando a conspiração de Jair Bolsonaro de que não haverá eleições em 2022, caso o Congresso não aprove o voto impresso.

Segundo reportagem do jornal O Estado de S.Paulo, por meio de um interlocutor, Braga Netto “pediu para comunicar, a quem interessasse, que não haveria eleições em 2022, se não houvesse voto impresso e auditável”.

Desmentido

Em tuite na manhã desta quinta (22), o também ministro do STF Luís Roberto Barroso, atual presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), afirmou que conversou com Braga Netto e com o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e que ambos “desmentiram qualquer episódio de ameaça às eleições“.

“Conversei com o Ministro da Defesa e com o Presidente da Câmara e ambos desmentiram, enfaticamente, qualquer episódio de ameaça às eleições. Temos uma Constituição em vigor, instituições funcionando, imprensa livre e sociedade consciente e mobilizada em favor da democracia”, tuitou Barroso.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR