No rastro do crime ambiental nas praias do Nordeste
08 de março de 2018, 12h48

Mulheres do MST e MMM ocupam e paralisam a produção do Grupo Guararapes, ligado à Riachuelo

Empresa pertence ao empresário Flávio Rocha, defensor da reforma trabalhista e da Previdência Social

As mulheres ocuparam a unidade do Grupo Guararapes, que fica em Extremoz, no Rio Grande do Norte – Foto: Divulgação/MST

Um grupo composto por aproximadamente 800 mulheres, todas ligadas ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) e a Marcha Mundial das Mulheres (MMM), ocupou e paralisou a produção do Grupo Guararapes, em Extremoz, no Rio Grande do Norte, a 23 km da capital Natal, na manhã desta quinta-feira (8). Segundo o Brasil de Fato, a ação integra a programação da Jornada Internacional de Luta das Mulheres.

A empresa pertence ao empresário Flávio Rocha, proprietário da Riachuelo. Segundo Vanuza Macedo, dirigente nacional do MST, Rocha “representa a hipocrisia do empresariado brasileiro que saqueia direitos aliado a políticos como Rogério Marinho (PSDB), relator da reforma trabalhista”.

Em várias oportunidades, Rocha defendeu inúmeras propostas do governo de Michel Temer (MDB), como as reformas trabalhistas e da Previdência. Além disso, o empresário se posicionou como um dos principais críticos ao governo Dilma Rousseff e, nos meses que antecederam o impeachment, declarou que o afastamento de Dilma recolocaria, já nos primeiros dias, o país novamente nos trilhos.

Em 2016, a Riachuelo foi condenada por submeter costureiras a trabalho análogo à escravidão. Uma das trabalhadoras denunciou maus-tratos, que incluíam abusos físicos e psicológicos em razão das pressões para confeccionar as peças. Vanuza Macedo destaca que “desde a década de 1950 seu grupo empresarial se beneficia de isenções fiscais, sendo financiado pelo poder público. De 2009 a 2016, em período de crise econômica no Brasil, sua empresa chegou a receber financiamento público de R$ 1,4 bilhão”, afirma.

A dirigente nacional do MST se refere ao financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), concedido ao grupo Guararapes durante o governo petista. Neste período, as empresas de Flávio Rocha ainda foram beneficiadas com isenção de até 75% do ICMS na construção de fábricas no Ceará e no Rio Grande do Norte.

Para Cláudia Lopes, da Marcha Mundial das Mulheres, as trabalhadoras, neste 8 de março, denunciarão “os que patrocinaram o golpe, exploram os trabalhadores e trabalhadoras e se apropriam dos recursos públicos, principalmente em um momento em que o cortes e a retirada de direitos é justificada por um rombo na receita”.

Com informações da Página do MST


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum