Fórumcast #20
11 de abril de 2019, 16h48

Mulheres se colocam como protagonistas da luta contra o fim da Previdência

Faltou espaço na Câmara para reunir, nesta quinta-feira, centenas de professoras, domésticas e outras trabalhadoras da cidade e do campo em ato com deputadas de 11 partidos contra a reforma de Bolsonaro

Ato mulheres contra a previdência
Foto: Mídia Ninja

Centenas de trabalhadoras do campo e da cidade lotaram um auditório e se juntaram, nesta quinta-feira (11), na Câmara dos Deputados, a parlamentares de 11 partidos políticos em ato de mulheres contra a reforma da Previdência de Jair Bolsonaro. A necessidade de mobilização nas ruas, inclusive com indicações para uma greve geral, deu o tom do encontro.

Líder da Minoria na Casa, a deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) foi explícita: “Não temos tempo a perder. A luta virtual é importante, mas, sozinha, não funciona. Tem que montar banquinhas nas ruas, olhar no olho. E as mulheres são sensacionais nisso”.

Emocionadas e aguerridas, participaram do encontro representantes de 25 entidades sindicais e deputadas e senadora do PT, PSB, PDT, Rede, PSOL, PCdoB, PROS, e até do MDB, PP, PSDB e DEM.

Foto: Mídia Ninja

“Se votar, não volta” foi entoado por diversas vezes durante o encontro, dando o recado sobre a dificuldade que terão de se reeleger os parlamentares que votarem favoravelmente à Proposta de Emenda Constitucional (PEC) de Bolsonaro e Paulo Guedes.

Veja também:  PT apresenta ações contra Bolsonaro no STF e na PGR por censura, LGBTfobia e calúnia

Nesse sentido, Luiza Erundina (PSOL-SP) convocou as trabalhadoras e trabalhadores a estarem presentes no Congresso, pois, dessa forma, grandes avanços – agora ameaçados -, como a Constituição Federal, foram conquistados.

Reforma reforça desigualdades

Representando as centrais sindicais, Nayana Cambraia explicou por que o desmonte da Previdência Social reforça as desigualdades de gênero e de raça.

“Ainda não alcançamos a igualdade e essa PEC nos leva ainda mais para trás. Nós somos 52% dos desempregados e o número de mulheres na informalidade é 42% maior [em relação ao de homens]. Nossas condições de trabalho são diferentes e não respeitar isso fere a Constituição. Diante dessas circunstâncias, muitas mulheres não conseguem contribuir por 15 anos. Como vão fazer por 20? Essa aposentadoria não vai existir”, pontuou a militante.

 

Foto: Mídia Ninja

A deputada Benedita da Silva (PT-RJ) já trabalhou como empregada doméstica e camelô; e foi enfática: “A reforma é o trabalho escrevo. Já conhecemos as senzalas desse país e querem que a gente volte para lá. A gente quer viver!”, clamou.

Veja também:  Em regime de urgência, PL de porte de armas poderá ser votado ainda essa semana

Além do aumento do tempo de contribuição, a idade mínima para aposentadoria subiria de 60 para 62 anos no caso de trabalhadoras urbanas.

As dificuldades das trabalhadoras rurais, para as quais a idade mínima passaria de 55 para 60 anos, também foram destacada.

Outro ponto abordado foi o ataque às professoras. O tempo de contribuição para a categoria passaria de 25 para 30 anos. O risco foi um dos pontos, aliás, que atraiu a deputada do DEM Professora Dorinha (TO) para o ato organizado pela oposição. Tereza Nelma (PSDB-AL) também demonstrou bastante entusiasmo no encontro.

Foto: Mídia Ninja

Outras lideranças de destaque do campo progressista marcaram presença. Alice Portugal (PCdoB-BA) empolgou as trabalhadoras ao escancarar o peso da dupla ou até tripla jornada.

Erika Kokay (PT-DF) falou em “arrancar a faixa presidencial que está no peito do fascismo”. Maria do Rosário (PT-RS) e Gleisi Hoffmann (PT-PR) também se fizeram presentes, bem como parlamentares da “nova geração”, como Talíria Petrone (PSOL-RJ), Sâmia Bomfim (PSOL-SP) e Fernanda Melchionna (PSOL-RS).

Veja também:  Vídeo: Alexandre Frota agradece Rodrigo Maia por filiação ao PSDB e ambos choram

Deputados como Marcelo Freixo (PSOL-RJ), Paulo Pimenta (PT-RS), Alessandro Molon (PSB-RJ), Túlio Gadêlha (PDT-PE), José Guimarães (PT-CE), Ivan Valente (PSOL-SP) e André Figueiredo (PDT-CE) apoiaram o ato.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum