Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
07 de março de 2019, 21h42

Na guerra cultural, a batalha da pornochanchada presidencial

Em artigo, o produtor cultural Juan Leal alerta: “Quando Bolsonaro decidiu postar o vídeo com conteúdo pornográfico e o associou à folia carnavalesca, cometeu um grave erro e entrou em campo minado”

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Por Juan Leal*

Ainda no início do seu terceiro mês, o governo Bolsonaro deixou evidente a sua ineficiência e a incapacidade de dar a resposta prometida para a grave crise econômica em que o país se encontra. As disputas internas deflagradas antes mesmo da posse oficial e a falta de um projeto claro – que não é surpresa para ninguém – descortinaram a pequenez política de Bolsonaro e o seu verdadeiro papel de franco atirador do conservadorismo.

No momento em que o capitalismo precisa avançar agressivamente contra os direitos da classe trabalhadora para se reestruturar, o reestabelecimento de uma nova Cultura hegemônica, com bases mais sólidas no autoritarismo e no medo, é fundamental para o apaziguamento da população diante dos ataques. Mas não só o sistema, também o governo vê, por esse caminho, a saída para a sua sobrevivência.

Apesar do discurso de confiança dos empresários em relação ao governo atual, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômica (OCDE) revisou e rebaixou a previsão de crescimento do PIB brasileiro para 2019, principalmente devido à recuada evolução recente da atividade econômica. Ao mesmo tempo, as lideranças do governo da Câmara afirmam que não há maioria sequer nas Comissões para a aprovação da tão sonhada (e famigerada) Reforma da Previdência, o “carro-chefe” de Paulo Guedes. Não é coincidência, tampouco cortina de fumaça, que, na mesma semana, Bolsonaro tenha resolvido contra-atacar as manifestações que recebeu no Carnaval através de uma postagem em sua rede social sobre o tal “golden shower”.

Bolsonaro é o soldado da tropa de primeira linha.

O presidente assumiu sua posição de agente ativo de produção e difusão da cultura ultraconservadora, em um governo que, semanalmente, são divulgadas declarações que entram em choque com a razoabilidade racional. Longe de ser uma forma de distração ou de qualquer patologia mental – como muitos opositores afirmam em suas vociferantes denúncias -, essa forma de governar é tática, essencial para o plano político definido. Os valores morais provindos de dogmas religiosos são o norte que direciona o exército bolsonarista, com o claro objetivo de dizimar o racionalismo. Este é um aspecto importante da guerra cultural observado pelo sociólogo James Hunter, em seu livro Culture Wars, quando analisou a grande polarização na sociedade norte-americana em torno de questões como aborto, censura, direitos dos LGBTs, porte de armas e uma suposta doutrinação das escolas. O conservadorismo do governo Bolsonaro é a radical tentativa de produzir uma sociedade em que os fundamentos morais transcendentais se sobrepõem à materialidade da vida e ao desenvolvimento do raciocínio crítico, buscando engessar a capacidade de se adaptar aos novos tempos de ascensão das lutas por direitos civis e sociais.

Contudo, na guerra, é preciso analisar cuidadosamente cada movimento para não cair em armadilhas. Quando Bolsonaro decidiu postar o vídeo com conteúdo pornográfico e o associou à folia carnavalesca, cometeu um grave erro e entrou em campo minado. Mantendo a prática do sensacionalismo estridente, o presidente chocou sua própria base social com a divulgação das imagens em sua rede com mais de 3,5 milhões de seguidores e acabou fazendo justamente o que ele costuma atribuir aos seus opositores. Com isso, o governo viu minguar o apoio nas redes sociais e a ridicularização de Bolsonaro estampou a capa de jornais internacionais.

Para além da pornochanchada presidencial, uma questão deve ficar nítida: não se ataca o Momo no país do carnaval. As reações contrárias foram imediatas e ganharam grandes proporções de comunicação, gerando reconhecimento também em eleitores bolsonaristas.

Esse cenário demonstra que, se a ultradireita brasileira, com amplo apoio norte americano, ganhou espaço de poder institucional, não há qualquer definição de resultado na batalha no campo da Cultura e a disputa pela “autoridade moral” está se dando na produção cultural popular. Mesmo que no meio da guerra, o povo demonstrou, por meio da irreverência carnavalesca, que ainda há tempo de tirar o atraso e avançar as tropas contra hegemônicas, desde que o lado de cá assuma: estamos em guerra cultural.

*Juan Leal é produtor cultural e coordenador da Escola de Teatro Popular – RJ

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum