Narrador da Fox Sports ignora presença de Bolsonaro em jogo do Flamengo; veja vídeo

A comitiva presidencial deixou o estádio com torcedores aos gritos de “incompetente, incompetente”; veja vídeo

Não foi uma boa ideia a ida do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido) ao estádio Mané Garrincha, em Brasília, na noite desta quarta-feira (21), para ver o jogo entre Flamengo e Defensa y Justicia.

Ao ser filmado durante longos segundos pelas câmeras da Fox Sports, Bolsonaro foi completamente ignorado pelo narrador João Guilherme, que simplesmente seguiu com o jogo como se mais nada houvesse.

Para deixar bem claro que ignorou o presidente, o narrador disse em outro momento: “Um grande abraço ao GENO lá do Rio de Janeiro e para telespectadora CIDA de Petrópolis”.

Veja abaixo:

Além disso, a comitiva presidencial deixou o estádio com torcedores aos gritos de “incompetente, incompetente”.

Ao que tudo indica, Bolsonaro deveria ter seguido recomendações médicas e ficado em casa, em repouso.

Ruim ou péssimo

Pesquisa PoderData divulgada nesta quarta-feira (21) mostra que a rejeição ao presidente Jair Bolsonaro e seu governo bateu novo recorde.

Segundo o levantamento, 56% da população considera o trabalho do titular do Planalto ruim ou péssimo – oscilação de um ponto para cima com relação ao último estudo da plataforma, feita há duas semanas, quando o índice era de 55%, já representando um recorde.

Publicidade

26% dos entrevistados avaliam o trabalho de Bolsonaro como ótimo ou bom, enquanto 15% consideram regular. 3% não sabem ou não responderam.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR