#Fórumcast, o podcast da Fórum
23 de outubro de 2019, 12h05

Neoliberalismo em chamas na América do Sul, por Paulo Pimenta

O “oásis” tão celebrado pelos neoliberais se deparou com insurreição da população, expressando a falência de um modelo inspirado na Escola de Chicago, adotado durante a ditadura do sanguinário general Augusto Pinochet e agora por Piñera

Bolsonaro, Guedes e a guerra no Chile (Montagem)

Por Paulo Pimenta (*)

A onda de protestos no Chile, em seguida à que varreu o Equador, deixa nítido o fracasso das políticas neoliberais, que atacam os direitos do povo, provocam miséria e desesperança e ao mesmo tempo privilegiam o grande capital e a concentração de renda.

O Chile é emblemático, pois é a “menina dos olhos” da dupla Jair Bolsonaro/Paulo Guedes e de certos comentaristas econômicos da grande mídia brasileira.

O “oásis” tão celebrado pelos neoliberais se deparou com insurreição da população, expressando a falência de um modelo inspirado na Escola de Chicago, adotado durante a ditadura do sanguinário general Augusto Pinochet e agora por Piñera.

Os brasileiros precisam perceber que a aposta ultraliberal na economia brasileira da dupla Jair Bolsonaro/Paulo Guedes é uma jogada de risco que pode levar o Brasil a um cenário dramático de recessão, desemprego, retirada de direitos, privatizações como estamos presenciando no Chile e Equador.  Um modelo já repudiado pelos argentinos, que nas eleições de domingo (27) devem mandar para casa, já no primeiro turno, Maurício Macri e sua cartilha econômica.

Os exemplos de nossos vizinhos deveriam ser suficientes para despertar a consciência do povo brasileiro, pois a base da revolta de nossos irmãos sul-americanos são as injustiças geradas por um modelo econômico elitista que prejudica a maioria da população.

Os números sobre o quadro econômico e social do Chile mostram como se fomentou um caldo de cultura que levou à revolta popular.  O aumento do preço das passagens do metrô foi apenas a ponta do iceberg.  Centralmente, o problema vem da profunda desigualdade no país e a falência dos sistemas públicos de saúde, previdência e educação, praticamente privatizados, como quer fazer Bolsonaro no Brasil.

Um dado revelador é sobre a previdência chilena, modelo originado na ditadura Pinochet. Privatizada, os aposentados ganham muito menos do que ganhavam quando estavam na ativa – na maioria ganham metade do salário mínimo local. É altíssimo o índice de suicídio entre idosos no Chile, pois não ganham o suficiente sequer para comer. Lá também foi estimulada a privatização do ensino, se incentivou o uso de planos privados de saúde, que reduzem a cobertura para mulheres e idosos. Até a água foi privatizada.

Dados do estudo ‘Desiguales’, do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud), mostram que o Chile é o país mais desigual entre os integrantes da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e o sétimo em desigualdade na América Latina. Atualmente, 1% da população chilena concentra 33% da riqueza — e 0,1% capta 19,5% do que o país gera.

A base de tudo é um modelo elitista nada diferente do modelo Bolsonaro, com a diferença que o presidente brasileiro defende e implementa bandeiras anti-povo sem que as tenha defendido na campanha eleitoral de 2018, feita à base de fake news.

Diante do cenário de terra arrasada promovido pelo neoliberalismo, um alento vem da Bolívia. Ali, com Evo Morales, recém-eleito para o quarto mandato presidencial, o caminho é o oposto, com um modelo fundado na inclusão que permite desenvolvimento e crescimento econômico com justiça social. O milagre econômico da Bolívia iniciou-se em 2006 com a nacionalização do petróleo e gás que permitiu crescer o PIB em 5% em média anual e reduzir a pobreza de 65% para 35% em 2018.

Neoliberalismo é sinônimo de miséria, crise social, privilégios para grandes grupos econômicos e injustiça social. É um modelo que já devia estar sepultado. Os ventos que sopram nos países vizinhos apontam que o povo está cansado de tanta injustiça.

*PAULO PIMENTA é jornalista e deputado federal (RS), líder da Bancada do PT na Câmara dos Deputados


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum