Fórumcast, o podcast da Fórum
05 de agosto de 2019, 14h09

Neto do ditador Figueiredo é preso nos EUA acusado de pagamento de propinas no Trump Hotel

Paulo Renato é amigo de Flavio Bolsonaro, que mantém em sua página no Facebook uma foto ao lado do neto do ditador Figueiredo: "As gerações mantêm os laços entre as famílias"

Paulo Figueiredo e Flávio Bolsonaro (Reprodução/Facebook)

Paulo Renato de Oliveira Figueiredo Filho, neto do general João Baptista Figueiredo, último mandatário da ditadura militar no Brasil, foi preso nesta sexta-feira (2) em Miami, nos Estados Unidos. Figueiredo filho é acusado de integrar um suposto esquema de pagamento de propinas a dirigentes do BRB, banco controlado pelo governo do Distrito Federal, em troca de recursos para a construção do extinto Trump Hotel, no Rio de Janeiro – hoje batizado de LSH Lifestyle.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

O empresário era considerado foragido desde que a operação foi deflagrada, em janeiro. A prisão se deu porque ele foi incluído na lista de procurados da Interpol.

Trump
Paulo Renato se associou em 2013 ao presidente americano, Donal Trump, para explorar o hotel de luxo, na Barra da Tijuca. A Trump Organization – propriedade do mandatário – cedeu sua marca para o empreendimento até 2016, mas se retirou do negócio depois que ele passou a ser investigado.

Segundo documentos da operação, ao menos R$ 16,5 milhões em subornos foram pagos a dirigentes do BRB para que eles liberassem recursos de fundos de pensão de estatais e de órgãos públicos, administrados pelo banco, e da própria instituição financeira para os projetos que davam prejuízo e não passavam por análise técnica adequada, entre eles o do hotel.

Paulo Renato é amigo de Flavio Bolsonaro, que mantém em sua página no Facebook uma foto ao lado do neto do ditador Figueiredo.

“As gerações mantêm os laços entre as famílias. Excelente conversa com o Paulo Figueiredo Filho, grande pessoa, empreendedor bem sucedido, com senso crítico e visão política diferenciados”, diz a publicação.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum