Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
09 de abril de 2019, 07h54

Nordeste é a região mais afetada por debandada no Mais Médicos

Problema é decorrente dos ataques de Bolsonaro ao programa, que tiraram mais de 8 mil profissionais cubanos do Brasil no fim do ano passado

Foto: Arison Jardim/ Secom

Reportagem de Alex Tajra para o UOL, nesta terça-feira (09), mostra que 40% das 1.052 desistências do programa Mais Médicos se deram na região Nordeste. A Bahia foi o estado mais afetado, com a perda de 117 profissionais que atendiam em unidades básicas de saúde.

O problema é decorrente da saída de 8.517 médicos cubanos do Brasil, em razão dos ataques de Jair Bolsonaro, que, já antes de sua posse, questionava a capacitação técnica dos profissionais e o acordo entre o Ministério da Saúde e a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

O governo havia informado que todas as vagas tinham sido preenchidas por brasileiros, mas a saída de 15% dos médicos que aderiram ao programa – por salários de R$ 11.800,00 – reitera a fragilidade da alternativa.

O Sudeste é a segunda região mais afetada pela debandada (32,5%). São Paulo concentra 181 desistências.

O Ministério da Saúde alega que os postos vagos estão sendo ocupados por médicos brasileiros formados no exterior.

Veja também: Médicas cubanas contam como foi participar do programa Mais Médicos


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum