Fórumcast, o podcast da Fórum
19 de março de 2019, 06h00

Nova Política de Saúde Mental é ilegal, diz presidente do Conselho Nacional de Direitos Humanos

Entidade pede a suspensão da Nova Política de Saúde Mental, já em execução, que foi elaborada sem debate público e contrariando recomendações do Conselho Nacional de Saúde (CNS); entre as novas políticas, estão, por exemplo, o uso de eletrochoques e incentivo à cultura de internação psiquiátrica

Cartaz de movimento de luta antimanicomial (Reprodução)

O Conselho Nacional de Direitos Humanos (CNDH), órgão colegiado que tem como missão a promoção e a defesa dos direitos humanos no Brasil, aprovou em reunião na última semana um documento que será submetido ao Ministério da Saúde em que recomenda a suspensão da Nova Política de Saúde Mental – um conjunto de portarias que vêm sendo estabelecidas e executadas há dois anos que alteram a Política Nacional de Saúde Mental.

Baixadas no governo de Michel Temer, as portarias alteram pontos sensíveis na política de saúde mental executada em equipamentos públicos. Entre elas, está a portaria 3588 que, de acordo com especialistas, trata-se de um incentivo à cultura da internação psiquiátrica. Outra mudança é o incentivo ao já superado tratamento com eletrochoques, revelada na nota técnica do Ministério da Saúde divulgada no início de fevereiro e que causou revolta entre representantes da área, que consideram as mudanças um retrocesso.

“A lei é clara: a participação social não é uma opção do governo, é uma obrigatoriedade quando se trata de implementar e criar novas políticas.”, disse o presidente do CNDH, Leonardo Pinho, à época da divulgação da nota técnica.

Apesar de mudanças já estarem sendo executadas desde antes do governo Bolsonaro, o CNDH pede para que o Ministério da Saúde suspenda as normativas “incompatíveis com a estabelecida Política Nacional de Saúde Mental” e submeta todas as mudanças ao debate público através de audiências públicas, conferências de saúde e análise de conselhos de saúde.

“Não se pode estabelecer alterações na política de saúde, formulada com participação social, sem a realização prévia das necessárias conferências de saúde e sem amplo debate com a sociedade e as entidades representativas de usuários, especialmente no âmbito dos conselhos nacional, estaduais e municipais de saúde”, ressalta o CNDH no documento enviado ao ministério.

“Ela [a Nova Política de Saúde Mental] precisa ser imediatamente suspensa e ser colocada em debate público, no Conselho Nacional de Saúde e em audiências públicas por todo o país”, disse Pinho após a elaboração do documento.

De acordo com a entidade, as mudanças não debatidas na esfera pública violam a Constituição Federal de 1988, legislações nacionais e “uma série de tratados internacionais, dos quais o Brasil é signatário, como a Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência”.

Confira a íntegra recomendação do Conselho Nacional de Direitos Humanos aqui.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum