Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
17 de fevereiro de 2019, 12h23

“O feminismo é uma ameaça à ordem ocidental”, diz deputada que queria censurar professores

Ana Caroline Campagnolo relativiza o estupro: “O movimento feminista diz que tudo é estupro. Um assovio é um estupro, uma passada de mão é estupro. Tudo é um absurdo, tudo é machismo”

Foto: Reprodução/Facebook

A deputada estadual por Santa Catarina, Ana Caroline Campagnolo (PSL), 28 anos, não se cansa das polêmicas que ela mesma produz, em função de suas ideias profundamente retrógradas e conservadoras.

Antes do segundo turno da eleição presidencial, ela fez um chamado público para que alunos gravassem e denunciassem posicionamentos de seus professores, em uma clara demonstração de censura.

O Ministério Púbico de Santa Catarina (MP-SC) solicitou que ela retirasse o pedido feito a alunos de suas páginas nas redes sociais. Não satisfeita, Ana recorreu e obteve liminar autorizando a divulgação do chamado. No entanto, em seguida, Edson Fachin, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), derrubou a decisão.

Em entrevista a Vinicius Konchinski, do UOL, ela defendeu o combate ao feminismo pelo bem da humanidade e disse que Jair Bolsonaro não tem responsabilidade pelas crises que seu governo já deflagrou.

Em relação à proposta de gravar professores, ela disse: “Existem ideias. Tramitou aqui na Alesc (Assembleia Legislativa de Santa Catarina) um projeto baseado no Escola Sem Partido. Ele está arquivado, mas provavelmente será desarquivado. Há também a sugestão da desembargadora Maria do Rocio Luz Santa Ritta, que fala que não haveria problema em instalar de câmeras em sala de aula”.

E cita exemplos para corroborar a ideia: “Existe uma escola pública do município de Itajaí (SC), que tem câmeras instaladas em todas as salas de aula e corredores. Eu lecionei lá por seis meses. Aliás, não só existem escolas monitoradas como crescem o número de videoaulas”.

“Família natural”

Questionada sobre seis projetos como deputada estadual, Ana declarou: “Não gosto de falar de propostas. Gosto de falar de compromissos. Primeiro, com a família natural, aquela que naturalmente é capaz de procriar. Segundo, com a comunidade evangélica e católica. Nisso, perpassam questões sobre contracepção e aborto. Compromisso também com os valores da liberdade econômica. Sou contra o aborto em todos os sentidos. E sou contra qualquer método contraceptivo disfarçado, que esconde um método abortivo”.

Feminismo

Em outro trecho abordou o feminismo: “O problema é que o feminismo se tornou tão hegemônico na mídia e universidades que você não pode não ser. Você é obrigado a ser. Só porque eu sou mulher eu sou obrigada a ser feminista? Eu me voltei contra o movimento feminista quando descobri que essas bandeiras de reconhecimento de direitos são falsas. São uma maquiagem de algo muito mais obscuro que recebe o nome de revolução sexual, que é a transformação dos comportamentos, da relação e da diferenciação entre homem e mulher”.

E vai mais além:A nossa civilização ocidental foi construída sobre três pilares: direito romano, filosofia grega e moral judaico-cristã. O feminismo é uma afronta clara a um desses pilares: a moral judaico-cristã. Quando eu destruo um dos fundamentos da civilização ocidental, eu estou destruindo essa civilização. O feminismo é uma ameaça à ordem ocidental”.

Estupro

A deputada ainda relativizou a questão do estupro. “O movimento feminista diz que tudo é estupro. Um assovio é um estupro, uma passada de mão é estupro. Tudo é um absurdo, tudo é machismo. Se muitas mulheres começarem a fazer falsas acusações de estupro, quando a Mariazinha for verdadeiramente estuprada, ela não vai receber auxílio. Na minha opinião, o movimento feminista não ajuda como diz ajudar, e prejudica ao criar um pânico sobre casos que inexistem”.

Bolsonaro

Ana terminou a entrevista elogiando Jair Bolsonaro: “Flávio e Jair Bolsonaro não são a mesma pessoa. Jair continua sendo um símbolo de honestidade e caráter”.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum