Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
19 de dezembro de 2019, 16h35

O que é e como funciona o Escritório do Crime

Braço armado da milícia que age na Zona Oeste no Rio, a organização era comandada pelo ex-capitão do Bope, Adriano Magalhães da Nóbrega, que tinha ex-esposa e mãe empregadas no gabinete de Flávio Bolsonaro

Adriano da Nóbrega, Flávio Bolsonaro e Fabrício Queiroz – Foto: Reprodução

Investigações do Ministério Público (MP) aprofundam cada vez mais o envolvimento da família Bolsonaro com o chamado Escritório do Crime. Braço armado da milícia que age na Zona Oeste do Rio de Janeiro, a organização era comandada pelo ex-capitão do Bope, Adriano Magalhães da Nóbrega, que tinha ex-esposa e mãe empregadas no gabinete de Flávio Bolsonaro, na época em que o filho do presidente era deputado estadual.

Adriano é amigo do policial militar reformado Fabrício Queiroz, ex-assessor de Flávio. O ex-capitão, hoje foragido, chegou a ser homenageado pelo filho de Jair Bolsonaro na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

Mais informações sobre o suposto esquema de corrupção envolvendo Flávio, hoje senador, vieram à tona nesta quarta-feira (18), após a deflagração de mandados de busca e apreensão solicitados pelo MP-RJ.

As apurações apontam que Danielle Mendonça da Costa, ex-esposa de Adriano, admitiu que a origem do dinheiro que recebia como assessora de Flávio na Alerj era ilegal.

Ex-assessora do então deputado, Danielle é apontada pelo MP como uma funcionária fantasma que recebia salário e o repassava para Queiroz, indicado como chefe do esquema de “rachadinhas” no gabinete de Flávio. De acordo com o MP, ela teria repassado a Queiroz R$ 150 mil no período em que esteve na Alerj.

O MP-RJ também concluiu, nesta quinta-feira (19), que contas bancárias de Adriano foram usadas para repassar dinheiro a Queiroz.

A conclusão foi tirada com base em informações da quebra de sigilo bancário e fiscal de Queiroz e de Danielle.

Execuções por encomenda

O Escritório do Crime nasceu da exploração imobiliária ilegal em atividades como grilagem, construção, venda e locação ilegal de imóveis. Especializado em execuções por encomenda, a organização é composta pelo que se chama de banda podre da polícia. Os integrantes utilizam as técnicas aprendidas nas corporações oficiais para cometer assassinatos.

Há fortes suspeitas que o grupo esteja envolvido em 19 homicídios não esclarecidos desde 2002. Os criminosos chamam atenção pelo profissionalismo com que atuam.

Marielle

Em agosto de 2018, passaram a ser investigados sob acusação de envolvimento com o assassinato da ex-vereadora Marielle Franco e do motorista Anderson Gomes.

A suspeita é que os assassinatos tenham sido encomendados para a organização com o objetivo de evitar que Marielle atrapalhasse os negócios do grupo. A ex-vereadora estava investigando as atividades imobiliárias ilegais dos milicianos em Rio das Pedras.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum