OAB diz que há elementos para impeachment de Bolsonaro: “depende das ruas e do Congresso”

Rodrigo Maia afirmou em entrevista que o presidente pode sofrer um impeachment nos próximos meses

De acordo com Felipe Santa Cruz, presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em entrevista à coluna de Mônica Bergamo, há elementos para o impeachment do presidente Jair Bolsonaro (Sem Partido), mas o processo vai depender da pressão das ruas.

“É preciso abrir a discussão, porque os fatos [que envolvem Bolsonaro em eventual crime de responsabilidade] são graves. Mas o ritmo dela será ditado pelas ruas e pelo Congresso Nacional.”

A OAB, considerada a principal entidade que poderia desencadear o processo, já discute o tema internamente.

Maia ameaça

Outras lideranças que devem ter poder de decisão sobre o assunto pensam a mesma coisa. Nesta segunda-feira (11), o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a poucas semanas de deixar o cargo, afirmou em entrevista ao portal Metrópoles, que o presidente Jair Bolsonaro pode sofrer um impeachment nos próximos meses.

Maia tem em sua gaveta mais de 50 pedidos de impeachment contra Bolsonaro e não deu, ao longo de seu mandato, sequência a nenhum deles. Na entrevista, o deputado disse que agora, entretanto, a demora do governo em elaborar um plano de vacinação contra a Covid é um fator que pode motivar a abertura de um processo de impedimento contra o ex-capitão.

O PT também protocolou, nesta segunda-feira, na Câmara dos Deputados, mais um pedido de impeachment contra Bolsonaro.

Com informações da coluna de Mônica Bergamo

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR