Olavo de Carvalho prega fim da “apologia das instituições democráticas”

A fala vem cerca de um mês depois de Olavo pregar uma nova ditadura no Brasil com o apoio das Forças Armadas

O astrólogo Olavo de Carvalho, guru do presidente Jair Bolsonaro, usou as redes sociais para defender o desrespeito às instituições democráticas dizendo que elas sufocam a democracia. Olavo ainda jogou lenha na polêmica com o cantor Roger, da banda Ultraje a Rigor, e o apresentador Danilo Gentili.

“A apologia das ‘instituições democráticas’ só revela desconhecimento do que é democracia ou sério desejo de sufocá-la sob toneladas de louvores fingidos”, afirmou Olavo em sua conta no Twitter. No mês passado, ele causou polêmica ao incitar uma nova ditadura dizendo que “só a união indissolúvel de povo, presidente e Forças Armadas” poderia “salvar o Brasil”.

Polêmica com “aliados”

A declaração veio logo depois dele alimentar as tensões com Roger e Danilo Gentili, ex-aliados que foram descartados pelo guru. “Todo o meu treino literário foi tentar dizer as coisas EXATAMENTE como elas se mostram, com uma ênfase que vem delas mesmas e não de mim. […] Não posso assassinar uma reputação. Só passar um atestado de óbito àquela que já morreu”, afirmou.

Pelo Facebook, Olavo de Carvalho chamou, nesta quinta-feira, Roger de “bosta, um ignorante metido” e disse que conversar com Danilo é como “tentar cantar pelo cu”. A filha do filósofo de Richmond, Heloísa Arribas, criticou dizendo que ele faz isso com todos: “Quando eu conto que o guru Olavo usa as pessoas e depois as descarta, vejo ele fazer isso desde os anos 80, não estou mentindo olha o que ele tá fazendo com o Danilo Gentili e com o Roger foram descartados, claro com ofensas e humilhações”.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR