Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
09 de março de 2019, 15h03

Olavo diz que militares são “trapaceiros e covardes” e que não dedicou vida para “aprimorar administração do puteiro”

Guru do clã Bolsonaro, Olavo mostrou-se irritado com a disputa e afirmou que "nenhum olavette foi demitido do Ministério da Educação. Foram apenas transferidos para cargos politicamente inócuos"

Eduardo Bolsonaro e Olavo de Carvalho (Reprodução/Facebook)

Após pedir que os seus discípulos deixem o governo Jair Bolsonaro (PSL), o guru ideológico do clã Bolsonaro foi ao Twitter neste sábado (9) para criticar os “fominhas” por cargos públicos e disse que dedicou a vida a curar a alma do Brasil: “não a aprimorar a administração do puteiro”.

Leia também: Em guerra contra Olavistas, Alexandre Frota dá nomes e pede a cabeça de assessor de chanceler: “Selva”

“Sempre pensei que, se o meu trabalho viesse a ter efeitos políticos, eles seriam de longuíssimo prazo e totalmente incontroláveis, que portanto pensar muito neles seria pura punheta. Dediquei minha vida a curar a alma do Brasil, não a aprimorar a administração do puteiro”, tuitou Olavo, que abriu guerra contra o núcleo militar do governo, que provocou racha no governo está sendo travada nas redes sociais.

Em uma sequência de tuítes, Olavo diz que “oficiais militares induzem o ministro Velez a tomar atitudes erradas e depois lançam a culpa nos meus alunos”. “São trapaceiros e covardes”, tuitou.

Ele afirmou ainda que “nenhum olavette foi demitido do Ministério da Educação. Foram apenas transferidos para cargos politicamente inócuos”.

Segundo Olavo, “melhor maneira de não entender nada do meu trabalho é tentar enxergar nele um objetivo político”. “Cargos públicos são pedaços daquele bolo do vídeo. Tem gente que mata a mãe por um deles”, tuitou o astrólogo.

Ações dos grupos de educação
Na sequência, Olavo ainda publicou a variação das ações de dois grandes grupos educacionais, a Kroton e a Estácio Participações, que registraram alta na bolsa de valores, supostamente após o anúncio da demissão dos “olavettes”.

Segundo ele, está aí “a chave da encrenca toda”.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum