Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
16 de janeiro de 2020, 17h39

Orlando Silva critica Lula por dar “uma canelada” no PCdoB e cita Criolo: “Muda essa roupa, corta este cabelo”

O deputado federal criticou declaração dada pelo ex-presidente Lula durante entrevista à rede TVT

Foto: Ricardo Stuckert

O ex-ministro Orlando Silva (PCdoB-SP) não gostou da avaliação do ex-presidente Lula feita durante entrevista à rede TVT na quarta-feira (15). Em texto publicado no portal Vermelho, o deputado federal afirma que o petista desrespeitou o PCdoB com “frases absolutamente dispensáveis”.

“As pérolas: ‘O PT é um partido muito grande se comparado ao PCdoB’; ‘É difícil eleger um comunista e Flávio sabe disso’; e ‘É muito difícil eleger alguém de esquerda sem o PT’. As mesmas frases ditas por um analista político dispensariam qualquer comentário. Mas, sendo proferidas por Lula, merecem atenção”, diz em trecho do texto do parlamentar.

Orlando também afirma que não vê como positivos os elogios do ex-presidente Lula ao governador do Maranhão, Flávio Dino. “O elogio do presidente Lula a Flávio Dino é como um ‘abraço de urso’. Daí ser adequado Flávio saber o ponto exato de proximidade – ou será esmagado”, afirmou.

O ex-ministro ainda cita a canção Demorô, do músico Criolo: “Onde falta respeito / A amizade vai pro lixo (…) / Muda essa roupa, corta esse cabelo”.

Confira o texto na íntegra.

Orlando Silva: Por que Lula deu uma canelada no PCdoB?

Lula, como ele próprio disse, sempre contou com o apoio do PCdoB (ele disse quatro vezes, mas na verdade foram cinco). O PCdoB é o único partido que o apoiou em todas as suas campanhas presidenciais.

Hoje cedo, um camarada me alertou: “Lula foi desrespeitoso com o Partido”. Reagi: “Deve ser fake news!” Minha reação foi a mesma que a maioria dos nossos teria diante de um registro desses. Lula é muito querido entre os comunistas. Fui ver a entrevista. E, quando entra em tela o nome de Flávio Dino, o presidente nos brinda, para a minha surpresa, com frases absolutamente dispensáveis.

As pérolas: “O PT é um partido muito grande se comparado ao PCdoB”; “É difícil eleger um comunista e Flávio sabe disso”; e “É muito difícil eleger alguém de esquerda sem o PT”. As mesmas frases ditas por um analista político dispensariam qualquer comentário. Mas, sendo proferidas por Lula, merecem atenção.

O presidente estava num ambiente controlado, sem estresse e pôde desenvolver seus raciocínios com clareza e sem pressão. Lula, como ele próprio disse, sempre contou com o apoio do PCdoB (ele disse quatro vezes, mas na verdade foram cinco). O PCdoB é o único partido que o apoiou em todas as suas campanhas presidenciais.

O presidente Lula considerar difícil a eleição de um comunista para presidente não surpreende – afinal, ele considerava impossível uma vitória para o governo do Maranhão. Flávio Dino foi eleito e reeleito governador sem seu apoio. Mas qual a utilidade de reforçar a retórica anticomunista?

Que o PT é “grande” em relação ao PCdoB não chega a ser uma “descoberta”. O PT é o maior partido político do Brasil – e já conquistou uma rejeição da mesma proporção. Aliás, essa é a principal explicação para ter sido derrotado por um candidato nanico, Jair Bolsonaro, de um partido então minúsculo, o PSL.

Esquerda vencer sem PT? Impossível! Claro! E se um partido de esquerda não estiver aliado ao PT? Esteja certo de que esse partido nem era tão de esquerda assim… Esse raciocínio conhecemos desde o final dos anos 70 do século passado.

Flávio Dino é a novidade da esquerda brasileira. Cresceu sem “dedaço” e não incubado por nenhum grande líder. A sua competência já está à mostra no governo do Maranhão. Sua capacidade política é reconhecida até pelos adversários. Flávio Dino opera a política de frente ampla que o PCdoB elaborou, mas aplica com timidez sob os olhares severos e críticos dos “companheiros”.

Anote aí: o elogio do presidente Lula a Flávio Dino é como um “abraço de urso”. Daí ser adequado Flávio saber o ponto exato de proximidade – ou será esmagado.

A canelada do presidente Lula no PCdoB ou é um teste para as vértebras dos comunistas ou uma recaída após lembranças da chapa Osmar-Batista-Alemão? De qualquer modo, requer uma resposta fria, como a boa diplomacia ensina.

Assistindo às falas do presidente Lula, fiquei um pouco triste, mas bola pra frente! Ah! E lembrei de Criolo, em Demorô: “Onde falta respeito / A amizade vai pro lixo (…) / Muda essa roupa, corta esse cabelo”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum