Padre Júlio mobiliza rede que acolhe “irmãos de rua” em igrejas e estações do Metrô

É impossível medir com precisão quantas vidas o pároco da Pastoral do Povo de Rua de São Paulo terá salvado esta semana em São Paulo

É impossível medir com precisão quantas vidas o incansável padre Júlio Lancellotti, da Pastoral do Povo de Rua de São Paulo, terá salvado na madrugada nesta semana. Enquanto o frio seco da capital paulista chegava aos seus implacáveis 5°C, centenas de moradores em situação de rua, por obra e graça sua, se abrigarão, como já ocorreu na madrugada desta quinta-feira (29), em diversos lugares, entre eles as estações de Metrô.

Por solicitação sua, o governador do estado de São Paulo João Doria (PSDB) criou o programa Noites Solidárias, em que pessoas em situação de rua são acolhidas nas estações do metrô, onde são alimentadas e recebem cobertores e meias novos. O programa vai da noite desta quarta-feira até o próximo domingo (1º), sempre das 20h até às 8h da manhã do dia seguinte.

“Conversei com o governador e pedi para que a população fosse abrigada nas estações de metrô durante essa onda de frio. Amanhã [quarta-feira], vou me reunir com ele [Doria] e com o prefeito Ricardo Nunes (PMDB) para discutir medidas concretas para o povo de rua”, declarou o padre Lancellotti.

A assessoria de comunicação de João Doria confirmou o pedido feito pelo padre Júlio Lancelloti e solicitou à área técnica do metrô que viabilize medidas para que isso ocorra.

Igrejas abertas

A iniciativa do Padre Júlio não ficou só nisso. O pároco anunciou, na terça (27), que abriria as portas de igrejas da cidade para acolher quem não tem casa, por causa do frio.

Duas igrejas sob sua jurisdição, a Casa de Oração do Povo da Rua, na Luz, e a São Miguel Arcanjo, na Mooca, também estarão abertas a partir da noite desta quarta (28) para acolher os desabrigados.

A decisão fez com que o arcebispo Dom Odilo Scherer determinasse que as igrejas do Centro e da periferia de São Paulo façam o mesmo e acolham pessoas em situação de rua, a partir desta quarta-feira (28) até domingo (1).

Metroviários

O dominó de solidariedade desencadeado pelo Padre Júlio fez com que o Sindicato dos Metroviários oferecesse sua sede para hospedar pessoas em situação de rua. “Um gesto de solidariedade que deveria ser imitado por toda a sociedade”, afirma os metroviários.

O prédio que abriga o Sindicato dos Metroviários, e que agora vai proteger pessoas do frio, fica na Avenida Radial Leste e é motivo de disputa entre os metroviários e o governador Doria.

De acordo com os metroviários, o prédio é de propriedade do Metrô e foi cedido para a categoria em 1988, mas o tucano decidiu não renovar a cessão do terreno, pois, pretende vender o espaço para a iniciativa privada.

Publicidade

Metalúrgicos do ABC

Outro sindicato que se comoveu com as ações do Padre Júlio foi o dos metalúrgicos do ABC. A agremiação promoveu uma vaquinha virtual que levantou R$ 30.653,86 com doações de trabalhadores da categoria, sindicatos, políticos que se sensibilizaram com a causa, anônimos e instituições como o Grupo Prerrogativas que reúne advogados que defendem a democracia com justiça social.

O dinheiro serviu para comprar uma kombi seminova, que foi entregue ao pároco na última segunda-feira (26). O veículo que era utilizado pela Casa de Oração comandada pelo padre não estava em boas condições. Com o reforço será possível fazer a distribuição de marmitas, cobertores e a retirada de doações. Segundo o religioso, o veículo antigo irá para conserto e o novo entra em ação imediatamente. 

Publicidade
Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR