Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
14 de agosto de 2018, 16h55

Para Haddad, ligação com governo Temer deve deixar PSDB fora do segundo turno

Em entrevista, o vice de Lula revelou que espera um segundo turno entre o PT e Bolsonaro: "É muito difícil carregar o governo Temer nas costas"

Foto: Lula Marques/ AGPT

O ex-prefeito de São Paulo e vice na chapa do PT para a presidência, Fernando Haddad, afirmou em entrevista à rádio Arapuan FM, de João Pessoa (PB), nesta terça-feira (14), que a ligação do PSDB com o governo Temer deve deixar o partido de fora do segundo turno no pleito deste ano.

De acordo com Haddad, o fato de o PSDB ter sido um dos articuladores do golpe contra a ex-presidenta Dilma Rousseff, ter ministros no governo Temer e colocar como proposta em seu plano de governo a continuidade das reformas propostas pelo MDB devem prejudicar o desempenho de Geraldo Alckmin e favorecer Bolsonaro e o PT.

“Por que o segundo turno pode ser com Bolsonaro? Pois o Alckmin está muito associado ao governo Temer. PSDB e MDB fizeram uma aliança em torno do Temer, tiveram quatro ministros nesse governo, dando sustentação. E todos os votos dos tucano no Congresso foram a favor das reformas do Temer. E essas reformas do Temer, o Alckmin está anunciando que vai manter. Pode acontecer de o Alckmin não conseguir se livrar do Temer e não passar para o segundo turno. A associação é muito forte. É muito difícil carregar o governo Temer nas costas”, analisou.

Na mesma entrevista, Haddad reafirmou ainda que está na condição de vice na chapa para poder “falar” por Lula até o dia de registro da candidatura no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que ocorre nesta quarta-feira (15). De acordo com o petista, o partido “não vai abrir mão” do ex-presidente, “independente do que a Justiça determinar”.

“Essa crise só termina com Lula na presidência. Vamos continuar na luta. O que fizeram com ele não tem nome. Encarcerara o maior presidente do Brasil com um processo que não para em pé. Não importa o que aconteça, só vamos parar de lutar quando Lula voltar para o seu lugar, que é a presidência da República”, afirmou.

Retomada do emprego

Haddad explicou ainda, na entrevista à rádio, quais são os planos do PT para o Brasil voltar a gerar empregos e sair da crise em que se encontra. De acordo com o ex-prefeito, o programa de Lula, para a retomada do crescimento, está baseado em três pilares: diminuição de imposto de renda, redução dos juros dos bancos e retomada de obras.

“Em primeiro lugar, vamos melhorar a renda dos brasileiros, diminuindo imposto de renda de quem ganha até cinco salários mínimos. Vamos dar um choque de consumo para as famílias voltarem a consumir. Vamos também dar um choque de crédito: os bancos não vão poder mais fazer o que fazem, cobrar os juros absurdos que cobram. O banco que cobrar juros altos vai sentir no bolso, porque vai ter que pagar mais imposto. Com isso, vamos gerar uma situação de crédito que as pessoas vão poder limpar o nome. Isso vai gerar emprego e as pessoas vão poder consumir no crediário, mas um crediário com juro de mundo civilizado, não como no cheque especial, que hoje está em 100%”, detalhou.

“E a terceira perna desse plano é a retomada das obras. Há muitas obras paradas. 40 mil casas do Minha Casa Minha Vida que poderiam estar sendo terminadas e entregues para as famílias saírem do aluguel e sobrar um pouco para o consumo”, completou.

Ouça, abaixo, a íntegra da entrevista.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum