Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
06 de janeiro de 2017, 22h58

Para Paulo Teixeira Alexandre de Moraes não tem mais condição de ser ministro da Justiça

Em entrevista ao 247, o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) afirma que, "com os acontecimentos do Amazonas e de Roraima, e com a farta documentação de que o governo federal sabia [do que vinha ocorrendo no sistema prisional nesses Estados], ficou inviável a permanência do ministro Alexandre de Moraes no governo.

Em entrevista ao 247, o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) afirma que, “com os acontecimentos do Amazonas e de Roraima, e com a farta documentação de que o governo federal sabia [do que vinha ocorrendo no sistema prisional nesses Estados], ficou inviável a permanência do ministro Alexandre de Moraes no governo.

Do 247 por Gisele Federicce

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) afirma que, “com os acontecimentos do Amazonas e de Roraima, e com a farta documentação de que o governo federal sabia [do que vinha ocorrendo no sistema prisional nesses Estados], ficou inviável a permanência de Alexandre de Moraes” no ministério da Justiça.

Depois do massacre que deixou 33 mortos na Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em Boa Vista, Roraima – o segundo essa semana, depois dos 60 em dois presídios de Manaus – Moraes negou ter recebido pedido de ajuda do governo do Estado. Um ofício da governadora Suely Campos, porém, pedindo em novembro o envio da Força Nacional para auxiliar na segurança de presídios, desmentiu o membro da equipe de Michel Temer. A ajuda à governadora, à época, foi negada por ele. Para Teixeira, por esse motivo, o ministro “não tem mais condições” de gerir a crise dos presídios.

O deputado também definiu como “omisso” o comportamento do governo de Michel Temer nesse episódio. Um dos relatores do projeto de lei do Novo Código de Processo Penal, em tramitação neste ano, e que irá propor um capítulo sobre justiça restaurativa, com foco no desencarceramento, Teixeira questiona “quais foram as providências tomadas para evitar esses dois massacres”.

Ele lembra que agências e corporações federais como a Polícia Federal e a Abin (Agência Brasileira de Inteligência) fazem parte de grupos de gestão de crise com os Estados, conforme informou o secretário de Segurança Pública do Amazonas, e que por isso obtinham informações a respeito do sistema prisional. “Isso demonstra que eles foram omissos”, afirma.

O parlamentar pedirá a presença de Moraes, do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, e dos chefes da Polícia Federal e da Abin na Câmara para prestar esclarecimentos sobre as ações tomadas pelo governo federal a esse respeito. As autoridades deverão ser convocadas por meio da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania) ou pelo plenário da Casa.

Teixeira avalia que Moraes, com seu discurso de colocar a culpa totalmente no Estado do Amazonas, tenta tirar a parcela de culpa que caberia à União. “Ele está querendo tirar a responsabilidade dele. Ao jogar para o Estado, que também é responsável, quis tirar a parcela de culpa que ele tem”, diz.

O novo Plano Nacional de Segurança Pública, anunciado essa semana por Michel Temer, é definido por ele como “lorota”. “Ele não tem nenhum recurso comprometido, não tem prazos, isso aí é lorota. Isso aí é uma lorota do ministro da Justiça, que o que mais tem feito é falado, é mais uma fala ao vento”, criticou Teixeira, que está à frente do estudo para uma nova política de segurança pública, do CEDES (Centro de Estudos de Direito Econômico e Social).

O governo federal liberou no fim de 2016 R$ 1,2 bilhão aos estados para construção de presídios e modernização do sistema penal. O Fundo Penitenciário Nacional (Funpen) tem ainda para repassar aos estados, segundo o site da ONG Contas Abertas, R$ 2,4 bilhões.

Segundo o Ministério da Justiça, um novo repasse, de R$ 1,8 bilhão, está previsto para o primeiro semestre de 2017. A assessoria da pasta informou ao 247 que, com essa verba, cada Estado terá de construir um novo presídio. Temer anunciou ainda essa semana a construção de cinco novos presídios federais.

Na avaliação de Paulo Teixeira, o Estado deve ser o único responsável pela gestão dos presídios – o complexo penitenciário de Manaus, onde 56 detentos morreram no fim de semana, era privatizado. “A privatização dos presídios não é uma medida, é um risco. É mais um modelo equivocado que vai levar a uma relação promíscua. O Estado tem que cuidar dos presídios”, diz ele.

Para ele, “o governo federal tem que assumir a gestão da crise no sistema penitenciário. Articular com os Estados, com o poder Judiciário, que tem determinado muita prisão desnecessária”. Teixeira acredita ainda que o Legislativo tem adotado medidas que favorecem a crise, ao invés de combatê-la, e que o Executivo precisa articular para que reformas sejam feitas e medidas imediatas sejam tomadas.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum