Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
07 de fevereiro de 2020, 07h40

Paulo Guedes pressiona senadores para criar uma CPMF digital

Novo imposto propõe taxar todas as transações financeiras feitas online como forma de desonerar folha salarial

O ministro Paulo Guedes - Foto: Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a defender um novo imposto sobre transações eletrônicas e que teria as mesmas características da extinta CPMF. O desejo do ministro é usar novas tributações como forma de diminuir o valor que empresas pagam sobre os salários dos empregados. Para isso, pressiona lideranças do Senado para que deem preferência às suas propostas.

O  imposto sobre transações eletrônicas seria cobrado, sobretudo, das cinco grandes empresas de tecnologia: Google, Apple, Microsoft, Amazon e Facebook. A proposta é taxar todas as transações digitais, como a transferência de dinheiro de um celular para outro.

Outra tributação que Guedes tem mencionado é o “imposto do pecado“, que incidiria sobre cigarros, bebidas e alimentos processados com açúcar, como sorvetes, chocolates e refrigerantes.

Este último, no entanto, já foi rejeitado pelo próprio presidente Jair Bolsonaro. “Paulo Guedes, desculpa aqui, você é meu ministro, te sigo 99%, mas aumento de imposto para cerveja, não”, afirmou o presidente, no final do mês passado, durante sua viagem à Índia. O ministro, no entanto, segue pressionando senadores em busca de apoio.

A bancada do MDB do Senado – que é a maior, com 14 integrantes – já declarou apoio à proposta da Câmara, mas cobra que o governo tenha participação na definição do texto final.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum