PEC dos Precatórios: PDT muda de lado e vai orientar voto não

PDT havia orientado voto favorável ao projeto defendido por Bolsonaro, o que gerou uma crise no partido e até "suspensão" da candidatura de Ciro Gomes à presidência

O líder da bancada do PDT na Câmara, deputado Wolney Queiroz (PE), revelou à jornalista e apresentadora do Programão da Fórum, Cynara Menezes, que a legenda mudou seu posicionamento e vai orientar voto contra a PEC dos Precatórios (PEC 23/2021), proposta defendida pelo governo Bolsonaro.

A PEC, que vai legalizar calotes em precatórios e é defendida por Jair Bolsonaro para financiar o programa eleitoreiro Auxílio Brasil, foi aprovada em votação de primeiro turno na última semana com margem apertada: 312 votos, quando o necessário para aprovar eram 308 votos.

Diferente de outros partidos de oposição, a bancada pedetista orientou voto “sim” à PEC. Essa posição abriu uma crise interna e fez o pré-candidato à presidência do partido, Ciro Gomes, vir à público para dizer que discorda de sua legenda e que vai “suspender” sua pré-candidatura até que a bancada reveja seus votos, já que, se tivesse orientado “não”, é provável que a PEC fosse derrubada.

A votação em segundo turno da PEC dos Precatórios está marcada para esta terça-feira (28).

“Não recebi um telefonema”

Na última semana, em meio à crise no PDT, Wolney Queiroz havia enviado uma mensagem à sua bancada afirmando que não recebeu nenhum contato de Ciro Gomes para falar sobre a PEC dos Precatórios e que o partido formou maioria para votar a favor da proposta.

“Importante ressaltar uma coisa: a votação dessa PEC 23 (Precatórios) era assunto predominante nos noticiários em todas as TVs, portais, blogs e jornais do Brasil. A imprensa especializada já anunciava que PDT e PSB poderiam votar a favor da PEC. Apesar disso, não recebi do presidente Ciro um telefonema, um e-mail, uma mensagem, um recado. Nada. Rigorosamente nenhuma orientação”, escreveu Wolney Queiroz no texto para sua bancada.

Ele afirmou, ainda, que o deputado André Figueiredo (PDT-CE), aliado de Ciro e que votou contra a PEC, esteve à frente das tratativas, que contaram com amplo debate e ponderações, e que ele chegou a almoçar com o presidente do partido, Carlos Lupi, “cientificando-se da tendência que se avizinhava”.

Virada de votos da oposição não basta

Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, nesta segunda-feira (8), o vice-presidente da Câmara, Marcelo Ramos (PL-AM), os votos do PDT foram decisivos para a aprovação da PEC dos Precatórios no primeiro turno.

Publicidade

“Não tenho dúvidas de que, sem os votos do PDT e PSB, a proposta não seria aprovada. Houve um erro de avaliação”, analisou.

Para Ramos, no entanto, somente a virada de votos desses parlamentares do PDT e PSB na votação em segundo turno, marcada para esta terça-feira (8), não garante a derrubada da PEC.

Publicidade

“Tínhamos 60 deputados ausentes no primeiro turno”, disse, adicionando que “nenhum” deputado que estava em missão no exterior, beneficiados por uma das manobras de Lira, votou.

Notícias relacionadas

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_