Entrevista exclusiva com Lula
29 de outubro de 2019, 10h53

Pendurado no Twitter, Abraham Weintraub critica mídia e chama presidente do Chile de “isentão”

Em vez de trabalhar como ministro da Educação, Weintraub prefere atuar como digital influencer e passa a manhã escrevendo no Twitter

Foto: Twitter

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, passou a manhã desta terça-feira (29) no Twitter compartilhando opiniões sobre o presidente do Chile, Sebastián Piñera, e criticando a mídia, conteúdo quase diário em suas redes sociais. Weintraub ainda chamou Piñera de “isentão” e o comparou com primeiro-ministro britânico “que gostava de dialogar com Hitler”.

Weintraub compartilhou uma publicação de seu irmão, Arthur, na qual ele critica o presidente chileno por ter cedido à pressão social depois da onda de protestos que tomou o país. “Exonerou todos ministros. Aumentou: salário mínimo/benefícios, imposto p/rico p/ 40%, contribuição do empregador. Manteve preço de metrô, finalizou toque de recolher, etc. Resultado: estações de metrô e prédios incendiados, lojas saqueadas, caos, etc”, disse o irmão.

“Não sei a razão, mas isso me fez lembrar do Chamberlain, 1o ministro britânico isentão que gostava de dialogar com Hitler e entregou a Tchecoslováquia aos nazistas. Deu sua dignidade em troca do caos”, respondeu o ministro.

Em seguida, um internauta confuso pergunta a Weintraub se Piñera é de esquerda. Como resposta, o ministro da Educação o corrige e diz que ele é “isentão”.

Na mesma hora, o ministro faz mais uma publicação no Twitter. Desta vez, ele compartilha uma notícia do Valor Econômico que diz que as classes A e B voltaram a crescer e hoje atingem 14,4% da população. “Basta esperar a manchete de algum jornaleco: ‘Governo Bolsonaro está exterminando os pobres do Brasil'”, escreveu Weintraub, mais uma vez atacando a mídia.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum