PF tem 30 dias para concluir perícia em ação que pode cassar chapa de Bolsonaro, determina TSE

As ações foram protocoladas, ainda durante a campanha eleitoral de 2018, pelos então candidatos Guilherme Boulos (PSOL) e Marina Silva (Rede), e tratam do hackeamento do grupo de Facebook “Mulheres Unidas contra Bolsonaro”, que tinha 2,7 milhões de integrantes.

Novos elementos em uma ação que pede a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão podem vir à tona em breve após uma decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deste segunda-feira (7). O ministro Luís Felipe Salomão, corregedor-geral da Justiça Eleitoral, oficiou a Polícia Federal para que o órgão conclua, em um prazo de 30 dias, uma perícia cibernética que pode atingir a campanha de 2018 do então candidato Jair Bolsonaro.

O TSE apura, desde junho deste ano, ações que pedem a cassação de Bolsonaro apresentadas, ainda na campanha eleitoral de 2018, pelos então candidatos Guilherme Boulos (PSOL) e Marina Silva (Rede), e tratam do hackeamento do grupo de Facebook “Mulheres Unidas contra Bolsonaro”, que tinha 2,7 milhões de integrantes. Agora, o tribunal resolveu reabrir a fase de produção de provas.

A página em questão passou a se chamar “Mulheres com Bolsonaro #17” e foi usada pelo então candidato Jair Bolsonaro em sua página oficial. “Obrigado pela consideração, mulheres de todo o Brasil”, escreveu o ex-capitão, à época. Para os autores dos processos, isso seria um indício de participação do ex-capitão e configuraria abuso eleitoral.

Ao todo, o tribunal conta com 8 ações que pedem a cassação da chapa Bolsonaro-Mourão.

*Com informações do Valor

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR