sábado, 24 out 2020
Publicidade

PGR abre investigação contra Pazuello e Fernando Azevedo por gastos com cloroquina

Aras encaminhou ao ministro Celso de Mello notícia-crime da deputada Natália Bonavides (PT) que acusa os ministros da Saúde e da Defesa de crime de responsabilidade

A Procuradoria Geral da República (PGR) decidiu atender na quinta-feira (18) a um pedido da deputada federal Natália Bonavides (PT-RN) e abrir investigação contra os ministros da Saúde, Eduardo Pazuello, e da Defesa, Fernando Azevedo, em razão dos gastos de quase meio milhão de reais na produção de hidroxicloroquina.

“Em relação à suposta prática de crimes de responsabilidade, foi instaurada a Notícia de Fato 1.00.000.16278/2020-03 nesta Procuradoria-Geral da República, para fins de apuração preliminar dos fatos noticiados”, diz petição encaminhada pelo procurador Augusto Aras ao ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal, para apurar as denúncias de Bonavides.

No texto, a parlamentar aponta crime de responsabilidade na conduta dos ministros por terem aplicado quase R$500.000,00, entre março e junho de 2020, na produção de cloroquina e hidroxicloroquina, mesmo sem haver comprovação científica da eficácia da droga no combate ao novo coronavírus.

 “Agora que a PGR acatou a nossa denúncia e vai investigar, nós esperamos que haja responsabilização, pois a forma como esse governo vem lidando com a pandemia é absolutamente desastrosa. Já são mais de 134 mil mortes e grande parte poderia ter sido evitada com uma política que não fosse negacionista e anticiência”, afirmou Bonavides.

De acordo com reportagem da CNN Brasil, o Exército brasileiro ainda comprou insumos para a fabricação de cloroquina de um laboratório de Minas Gerais por um valor 167% mais alto do que tinha pago à mesma empresa dois meses antes. 

Com informações da Agência PT

Lucas Rocha
Lucas Rocha
Jornalista da Sucursal do Rio de Janeiro da Fórum.