Polícia Civil do Rio indicia Felipe Neto por suposto crime de “corrupção de menores”

Denúncia contra o youtuber está baseada em expediente do Ministério da Justiça e o coloca sob risco de sofrer pena de 1 a 4 anos de prisão, caso seja condenado

A Polícia Civil do Rio de Janeiro anunciou nesta sexta-feira (6) que oficializou, no dia anterior, o indiciamento do youtuber Felipe Neto, a quem acusa do suposto crime de “corrupção de menores”.

Segundo uma nota enviada pela instituição policial ao jornal Correio Braziliense, “a Delegacia de Repressão a Crimes de Informática (DRCI) indiciou, nesta quinta-feira (05/11), o youtuber e influenciador digital Felipe Neto por corrupção de menores. As investigações iniciaram após expediente do Ministério da Justiça. Ele foi indiciado por divulgar material impróprio para crianças e adolescentes em seu canal do YouTube e por não limitar a classificação etária dos vídeos com conteúdo e linguajar inapropriado para menores”.

A Polícia Civil também explicou que o inquérito vai apurar se o acusado cometeu o crime previsto no artigo 244-B do Código Penal: “Corromper ou facilitar a corrupção de menor de 18 (dezoito) anos, com ele praticando infração penal ou induzindo-o a praticá-la”, que pode render de 1 a 4 anos de prisão, caso seja condenado.

A resposta de Felipe Neto foi difundida pelas redes sociais. Sua equipe de defesa afirmou que as denúncias contra ele estão baseadas “em informações falsas articuladas por membros da extrema-direita, fortemente incomodadas com as críticas que faço ao governo Bolsonaro”.

O influenciador também disse que tem “inteira confiança na justiça. Já esperávamos isso e estamos 100% tranquilos”.

Avatar de Victor Farinelli

Victor Farinelli

Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR