Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
16 de outubro de 2018, 19h54

Polícia Federal indicia Michel Temer por corrupção no inquérito dos portos

Luís Roberto Barroso, relator do caso, encaminhou o inquérito para a Procuradoria Geral da República se manifestar; PGR tem até 15 dias para se pronunciar

Foto: Lula Marques/Agência PT

A Polícia Federal (PF) acaba de pedir o indiciamento de Michel Temer (MDB) no inquérito dos Portos. O relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, mandou para a Procuradoria Geral da República (PGR) se manifestar sobre a denúncia.

Além de Temer, estão indiciados: Rodrigo Rocha Loures, Antônio Celso Grecco, dono da Rodrimar; Ricardo Conrado Mesquita, ex-presidente da Rodrimar; Gonçalo Borges Torrealba, dono do Grupo Libra; João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, amigo de Temer; Maria Rita Fratezi, arquiteta de Maristela Temer, filha de Temer; a própria Maristela; Carlos Alberto Costa; Carlos Alberto Costa Filho e Almir Martins Ferreira.

A PF pediu, ainda, a prisão preventiva e o bloqueio de bens do coronel Lima e também de Carlos Alberto Costa (sócio de coronel Lima), da arquiteta Maria Rita Fratezi e Almir Martins Ferreira (contador da construtora Argeplan, empresa do coronel e amigo de Temer).

O relatório final foi entregue pela Polícia Federal (PF) ao relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, de acordo com informações de Patrícia Falcoski, no G1. Durante o processo, o ministro prorrogou a conclusão do inquérito por quatro vezes.

O inquérito dos Portos foi aberto pelo STF, a pedido do então procurador, Rodrigo Janot, depois da delação de executivos do Grupo J&F, que denunciaram pagamentos de propina a agentes políticos, entre eles Michel Temer e o ex-assessor dele, Rodrigo Rocha Loures.

A delegado Cleyber Malta Lopes apura, desde 2017, se companhias do setor portuário pagaram propina em troca de um decreto presidencial que as favorecesse. Temer nega que o decreto tivesse essa finalidade. Empresas alvo do inquérito também afirmam inocência.

A PF investigou, ainda, uma reforma efetuada na casa da filha do emedebista, Maristela Temer. O imóvel passou por obras entre 2013 e 2015 e a suspeita da PF é de que pelo menos R$ 1 milhão tenha vindo de desvios do setor portuário.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum