Fórumcast, o podcast da Fórum
16 de outubro de 2018, 19h54

Polícia Federal indicia Michel Temer por corrupção no inquérito dos portos

Luís Roberto Barroso, relator do caso, encaminhou o inquérito para a Procuradoria Geral da República se manifestar; PGR tem até 15 dias para se pronunciar

Foto: Lula Marques/Agência PT

A Polícia Federal (PF) acaba de pedir o indiciamento de Michel Temer (MDB) no inquérito dos Portos. O relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, mandou para a Procuradoria Geral da República (PGR) se manifestar sobre a denúncia.

Além de Temer, estão indiciados: Rodrigo Rocha Loures, Antônio Celso Grecco, dono da Rodrimar; Ricardo Conrado Mesquita, ex-presidente da Rodrimar; Gonçalo Borges Torrealba, dono do Grupo Libra; João Baptista Lima Filho, o coronel Lima, amigo de Temer; Maria Rita Fratezi, arquiteta de Maristela Temer, filha de Temer; a própria Maristela; Carlos Alberto Costa; Carlos Alberto Costa Filho e Almir Martins Ferreira.

A PF pediu, ainda, a prisão preventiva e o bloqueio de bens do coronel Lima e também de Carlos Alberto Costa (sócio de coronel Lima), da arquiteta Maria Rita Fratezi e Almir Martins Ferreira (contador da construtora Argeplan, empresa do coronel e amigo de Temer).

O relatório final foi entregue pela Polícia Federal (PF) ao relator do caso no Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, de acordo com informações de Patrícia Falcoski, no G1. Durante o processo, o ministro prorrogou a conclusão do inquérito por quatro vezes.

O inquérito dos Portos foi aberto pelo STF, a pedido do então procurador, Rodrigo Janot, depois da delação de executivos do Grupo J&F, que denunciaram pagamentos de propina a agentes políticos, entre eles Michel Temer e o ex-assessor dele, Rodrigo Rocha Loures.

A delegado Cleyber Malta Lopes apura, desde 2017, se companhias do setor portuário pagaram propina em troca de um decreto presidencial que as favorecesse. Temer nega que o decreto tivesse essa finalidade. Empresas alvo do inquérito também afirmam inocência.

A PF investigou, ainda, uma reforma efetuada na casa da filha do emedebista, Maristela Temer. O imóvel passou por obras entre 2013 e 2015 e a suspeita da PF é de que pelo menos R$ 1 milhão tenha vindo de desvios do setor portuário.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum