Fórumcast #20
28 de março de 2018, 17h19

Polícia identifica autor de ameaças a Talíria Petrone, vereadora de Niterói amiga de Marielle

Suspeito prestou depoimento na Delegacia, mas não foi detido, pois as ameaças configuram como um crime de menor potencial ofensivo

“Foram feitas ligações sistemáticas para a sede do PSOL, me chamando de ‘piranha’, de ‘vagabunda’, dizendo que iam explodir a sede do partido, me matar com uma bomba”, contou Talíria – Foto: Reprodução/YouTube

A Polícia Civil identificou e interrogou o homem que ameaçou de morte a vereadora Talíria Petrone (PSOL), de Niterói, na região metropolitana do Rio de Janeiro. De acordo com o BOL, o nome do acusado não foi divulgado, mas ele admitiu ter feito as ameaças “por motivos políticos”. Mais votada do município, única mulher na Câmara Municipal, negra e feminista, Talíria era amiga da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), assassinada no último dia 14.

Segundo o delegado Glaucio Paz, da 76ª DP (Niterói), o suspeito prestou depoimento na unidade, mas não foi detido, pois as ameaças configuram como um crime de menor potencial ofensivo. O caso, de acordo com Louise Queiroga, do Extra, foi encaminhado para o Juizado Especial Criminal (Jecrim).

As ameaças à vereadora tiveram início nas redes sociais. “Desde o começo do mandato, numa Câmara majoritariamente conservadora, com muitos representantes da extrema direita, sofro ameaças”, contou a vereadora. “Enfrento muitas reações: são ataques sistemáticos nas redes sociais, em que sou chamada de ‘vagabunda’, em que dizem que se me encontrarem na rua vão ‘meter uma bala na minha cara’, para eu ‘voltar para a senzala’”.

Veja também:  ONG faz vaquinha para levar família de Marielle à inauguração de jardim com seu nome em Paris

Depois, a hostilidade ficou mais visível. A sede do PSOL em Niterói foi invadida por um homem armado, que ameaçava a vereadora. Segundo assessores, latas de tinta são mantidas na sede só para apagar pichações contra ela. Em eventos públicos, são comuns xingamentos e ameaças como “só matando mesmo”.

“Mas chegou ao ápice em 14 de novembro, quando foram feitas ligações sistemáticas para a sede do PSOL, me chamando de ‘piranha’, de ‘vagabunda’, dizendo que iam explodir a sede do partido, me matar com uma bomba”, contou Talíria. Ela registrou queixa na 76ª Delegacia de Polícia, em Niterói.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum