Políticos, correligionários e amigos lamentam a morte de Haroldo Lima por Covid-19

O dirigente comunista morreu na madrugada desta quarta-feira no Hospital Aliança, em Salvador

O ex-deputado federal Haroldo Lima (PCdoB-BA) morreu, na madrugada desta quarta-feira (24), aos 81 anos, vítima da Covid-19. Haroldo estava internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Aliança, em Salvador.

Ele chegou a tomar a primeira dose da vacina contra a Covid, mas já estava infectado, internando-se no dia seguinte ao procedimento de imunização.

A informação repercutiu nas redes sociais, sobretudo entre políticos e militantes do Partido Comunista do Brasil (PCdoB). A direção do partido soltou nota onde lamenta a morte do dirigente histórico e deputado constituinte:

“Haroldo lutou bravamente por longos dias contra a doença, mas não resistiu às complicações provocadas pelo novo coronavírus”, ressalta o comunicado da legenda comunista.

“Lamentamos profundamente a irreparável perda de um dos mais destacados quadros nacionais do PCdoB nas últimas décadas e   prestamos irrestrita solidariedade aos familiares, aos amigos e aos militantes neste momento de dor. O exemplo de abnegação, de coragem, de firmeza, daquele que dedicou a vida à luta em defesa da democracia e da liberdade, e pela construção de uma sociedade mais justa e fraterna, é o legado que Haroldo Lima deixa para a geração que prosseguirá a luta pelo socialismo”, diz a nota da direção estadual do PCdoB na Bahia, onde Haroldo sempre atuou. 

O presidente do partido na Bahia, Davidson Magalhães, também se manifestou:

“Deixa de bater um dos corações mais generosos, íntegro, entusiasmado e combativo, que convivi nestes meus 41 anos de militância política. Fica o seu legado, o seu exemplo, suas doces e alegres memórias e o nosso compromisso de manter erguida a bandeira em defesa do Brasil e do seu povo, da esperança, do sonho do socialismo, que marcaram o seu itinerário de vida entre nós”, diz a nota.

O secretário estadual da Saúde, Fábio Vilas-Boas, usou as redes sociais para lamentar a morte do político. “A Bahia perdeu, hoje, para a Covid-19, mais um dos líderes que fizeram história na luta pela democracia”, diz o post no Twitter.

Publicidade

O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), fez postagem em homenagem a Haroldo em sua conta do Twitter, na manhã desta quarta-feira: “Hoje o amigo Haroldo Lima nos deixou. Grande defensor da nossa Pátria e da luta popular. Foi deputado federal por 5 mandatos e presidente da Agência Nacional do Petróleo. Conhecia como poucos o tema da Energia no Brasil. Mais uma vítima do coronavírus”, escreveu.

O deputado federal e ex-ministro do Esporte, Orlando Silva (PCdoB) também se manifestou: “É devastador receber a notícia da morte de Haroldo Lima. Comunista a vida inteira, grande patriota, sobreviveu à Chacina da Lapa, lutou incansavelmente contra a ditadura e pela democracia. Haroldo foi Constituinte, deputado federal, presidente da ANP. Uma perda irreparável”.

Publicidade

O governador da Bahia Rui Costa afirmou que está “muito triste pelo falecimento de Haroldo Lima, liderança histórica do PCdoB que dedicou sua vida à luta pela democracia e por uma sociedade mais justa na Bahia e no Brasil. Infelizmente, é mais uma vítima da Covid-19 em nosso país”.

A ex-candidata a vice-presidente, Manuela D’Ávila (PCdoB-RS), também: “O Brasil perde Haroldo Lima! Nosso Partido chora a morte de um de homem imprescindível, um gigante. Haroldo, Sua vida foi marcada pelo bom combate, meu camarada. Você nos deixou sonhos, nos deixou exemplo, nos deixou coragem! Seguiremos! Haroldo Lima, presente!!!!”

O deputado federal Daniel Almeida (PCdoB-BA) afirmou: “Com imensa consternação, lamento o falecimento de Haroldo Lima, grande companheiro, ex-deputado federal e militante histórico do Partido Comunista do Brasil. Engenheiro de formação, Haroldo foi figura fundamental na luta contra a ditadura militar, sobrevivendo à Chacina da Lapa em São Paulo, onde morreram outros militantes do PCdoB, à época na ilegalidade. Chegou a ser torturado e preso em Salvador, e ainda assim permaneceu em diversas frentes de lutas, a favor de pautas de interesse social, da liberdade, da democracia, até o último dia da sua vida.

Em seus cinco mandatos na Câmara Federal, defendeu o estado democrático de direito de maneira aguerrida, estando sempre disponível à escuta popular. Nos últimos anos,como Diretor-Geral da Agência Nacional do Petróleo, fez importantes contribuições na política de exploração do pré-sal, na promoção da cooperação entre a China e o Brasil e no desenvolvimento das relações bilaterais.

Haroldo resistiu bravamente, mas infelizmente é uma vítima da Covid-19, que durante esta pandemia se agigantou por uma gestão ineficaz e genocida de um governo sem compromisso com o seu país, e que foi duramente combatido pelo nosso guerreiro. A Bahia e o Brasil perdem um grande líder político. E nesse momento de dor e tristeza, presto à família enlutada meus sinceros sentimentos e condolências. Haroldo, presente! Hoje e sempre!”

O ex-ministro da Cultura, Juca Ferreira (PT-BA) também se manifestou: “Me solidarizo com os parentes, companheiros e amigos de Haroldo Lima. Seu falecimento representa uma grande perda para a luta contra o fascismo e esse projeto anti-social, contra nossa soberania e contra a democracia. Conheço Haroldo desde que eu comecei na luta contra a ditadura na década de 60 do século passado. E ele sempre firme, combativo e participativo. Meu abraço fraterno ao PCdoB pela perda deste combatente”, disse.

Veja outras manifestações abaixo:

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR