Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de dezembro de 2019, 12h30

Prefeito de Porto Alegre é processado por gastar mais de 34 milhões em suposta propaganda ilegal

"É uma indecência! Marchezan usa dinheiro público pra mentir aos cidadãos de Porto Alegre”, diz a deputada Fernanda Melchionna

Foto: Divulgação/PSDB

Por CUT RS

A deputada federal Fernanda Melchionna e o ex-deputado estadual Pedro Ruas, ambos do PSOL, ingressaram com ação na Justiça nesta sexta-feira (27) contra a campanha “POA pra frente, POA pra gente”, de iniciativa da Prefeitura de Porto Alegre. Eles pedem a anulação da campanha publicitária no rádio e na televisão e, em caráter liminar, a suspensão imediata da exibição e distribuição das peças.

A ação é também assinada pelos demais parlamentares do PSOL: a deputada estadual Luciana Genro e os vereadores Roberto Robaina, Alex Fraga e Karen Santos.

Eles defendem que a campanha contraria o artigo 37º da Constituição Federal, que trata dos princípios de administração pública e regula a publicidade estatal, definindo que ela deve ter caráter informativo, educativo ou de orientação social, não podendo ter promoção de autoridades ou servidores públicos, tampouco servir como propaganda governamental promovendo atos de gestão.

Lei municipal obriga divulgação dos gastos com publicidade

De acordo com os parlamentares do PSOL, a campanha descumpre também uma lei municipal que estabelece que o Executivo deve fazer constar em todas as peças o custo dela, a origem da verba de custeio, o número dessa lei e a quantidade de vezes em que a peça deve ser exibida ou distribuída por contrato.

Essa lei havia sido vetada pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior (PSDB), mas por 27 votos a zero a Câmara Municipal derrubou o veto do Executivo, em 30 de agosto de 2017. O projeto de lei era de autoria da então vereadora Fernanda Melchionna e dos vereadores Alex Fraga e Mendes Ribeiro (MDB).

De acordo com o projeto, a obrigação vale apenas para as peças publicitárias institucionais, que incluem propagandas, programas, atos, obras, comunicados de utilidade pública e campanhas institucionais e matérias realizadas pelas agências de publicidade contratadas por meio de processo licitatório (nos termos da Lei Federal nº 12.232, de 29 de abril de 2010). “É dever do Poder Legislativo de Porto Alegre criar mecanismos para que a gestão de todos os órgãos e entidades municipais seja o mais transparente possível, possibilitando o controle pela sociedade”, argumentaram os vereadores.

Além de informar sobre o custo da propaganda, o projeto determinava que as peças publicitárias devem trazer também o número da lei e a quantidade de exemplares ou de inserções, no caso de veiculação impressa. Essas informações deverão ser incluídas de modo a possibilitar a perfeita compreensão pelo público. “No caso de veiculação em rádio, no final da publicidade; ou no caso de veiculação de forma televisionada, na parte inferior da imagem ou do texto da publicidade, de forma legível e clara, durante toda sua duração”, diz o texto do projeto.

“É escandaloso que Marchezan gaste dinheiro público para fazer campanha eleitoral antecipada. Esta lei foi aprovada durante o governo atual, o prefeito vetou o projeto e o veto foi derrubado pelos vereadores, portanto não se pode afirmar desconhecimento de causa. Ele faz propaganda governamental para promover atos de gestão. É inconstitucional e fere a moralidade pública. As peças lembram uma campanha eleitoral típica”, afirmou Melchionna.

Gasto da campanha supera R$ 34 milhões

Foto: Reprodução

Conforme extrato de contrato publicado no Diário Oficial do Município, a campanha foi desenvolvida pela Morya Sul Agência de Publicidade e custou R$ 34.935.000,00.

“É uma indecência! Marchezan usa dinheiro público pra mentir aos cidadãos de Porto Alegre. Uma prefeitura que corta direitos dos servidores públicos, ameaça de demissão profissionais da saúde e aumentou o IPTU para a maior parte dos moradores tem ainda a cara de pau de executar um gasto de R$ 34 milhões apenas em publicidade”, postou Melchionna na sua página no Facebook.

“Para se ter uma ideia, a média de gastos dos governos anteriores foi na casa dos R$ 13 milhões. Inadmissível que Marchezan tire o dinheiro de investimentos essenciais na cidade para investir em autopromoção visando o próximo ano eleitoral”, destacou a deputada.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum