sábado, 24 out 2020
Publicidade

Presidente da Câmara minimiza cobranças sobre auxílio e diz que Janones faz “teatro”

O deputado questionou se Marcos Pereira, que comanda a Casa na ausência de Maia, estaria fazendo "chacota" com o povo brasileiro

Uma semana depois de prometer que vai colocar em pauta a Medida Provisória (MP) nº 1000, o presidente em exercício da Câmara dos Deputados, Marcos Pereira (Republicanos-SP), reclamou das cobranças feitas por parlamentares, em especial o deputado federal André Janones (Avante-MG) durante sessão realizada na terça-feira (29).

“Eu disse que a MP seria pautada e será pautada no momento oportuno. Foi exatamente isso que eu disse. Quem estava presente pode se lembrar e pode ter visto isso. A Medida Provisória 1000 será pautada no momento oportuno. Quando? Quando a Presidência, junto com o Colégio de Líderes, entender que deverá ser pautada”, declarou Pereira após provocação de Janones.

O presidente da Câmara ainda classificou como “teatro” a atuação do deputado em defesa do auxílio emergencial. Janones é o criador do movimento 600 pelo Brasil e tem insistido, junto de partidos da oposição, na votação da MP.

A crítica de Pereira veio após Janones ceder à presidência 2 minutos de discurso para que pudesse responder aos questionamentos sobre a “quais os interesses que impedem que a MP chegue ao plenário” e se o compromisso em colocar o texto em pauta era sério.

“Nós Deputados temos muito tempo mesmo, com um salário de 33 mil reais por mês. Quem passa fome não tem tanto tempo assim. V.Exa. assumiu o compromisso de pautar a matéria e logo em seguida deu uma gargalhada.Então, eu gostaria que V.Exa. respondesse se isso foi um compromisso sério, assumido, e realmente a MP será pautada ou se V.Exa. estava só tirando um sarro com a cara do brasileiro, fazendo uma chacota ou, para usar uma expressão um pouco mais leve, somente uma pegadinha. Essa é a pergunta que eu gostaria de fazer”, disse Janones.

Lucas Rocha
Lucas Rocha
Jornalista da Sucursal do Rio de Janeiro da Fórum.