Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
21 de outubro de 2018, 09h48

Presidente do PSL, cotado para ser ministro da Justiça de Bolsonaro, quer indicar Moro ao STF

Gustavo Bebianno disse: “Ter um ministro com o perfil do juiz Sergio Moro seria muito bom. É um nome que se cogita, sim”, esquecendo da perseguição imposta ao ex-presidente Lula

Foto: Reprodução/TV Globo

Gustavo Bebianno, presidente do PSL e cotado para ser o ministro da Justiça em um eventual governo de Jair Bolsonaro (PSL), afirmou, em entrevista a Constança Rezende, do Estado de S.Paulo, que o militar irá “discutir tabus”, caso vença. Segundo ele, os tabus são a Previdência, a reforma trabalhista e o papel do Supremo Tribunal Federal (STF). Em relação à Corte, Bebianno defende a indicação de ninguém menos do que Sergio Moro, responsável pela condenação sem provas do ex-presidente Lula.

“Seria bom que o STF recuperasse a sua credibilidade. Ter um ministro com o perfil do juiz Sergio Moro seria muito bom. É um nome que se cogita, sim. Ele é uma pessoa séria, patriota e que quer o bem para o Brasil. Nossa relação com o STF será a melhor possível, harmoniosa”, afirmou.

Questionado sobre como seria a relação do governo de extrema direita com o Congresso, ele fez questão de atacar o PT e demais partidos do campo progressista: “Com petista não há papo, não há diálogo, porque petistas são o mal para o Brasil. Com eles, PSOL, PCdoB, com a extrema esquerda não haverá nenhum diálogo. Zero. O PDT do Ciro (Gomes) também acho difícil, talvez com um ou outro. A gente pensa menos no partido e mais em pessoas. Partidos são feitos por pessoas que, muitas vezes, se perdem dentro de uma estrutura viciada”.

O presidente do PSL voltou a defender a tese de armar a população: “Na verdade, a gente quer fazer valer o referendo de 2005, em que a população optou pelo direito de posse de arma, porque sem uma arma de fogo é impossível o pleno exercício da legitima defesa. Então, quando Jair Bolsonaro menciona a posse de arma por cidadão comum, de bem, ele não usa isso como plano de redução da violência. Ele simplesmente considera razoável que cada ser humano possa defender a sua vida. E esse direito só pode ser exercido com arma de fogo”.

E deixou em aberto a possibilidade de renovação da intervenção militar no Rio de Janeiro, que, ao contrário do que pregava o governo de Michel Temer, aumentou os índices de violência: “Pode ser que sim, pode ser que não. Vamos estudar mais para frente, ouvindo especialistas da área”.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum