Primeiro turno: Lula vence de 45% a 40% contra nove candidatos e de 48% a 37% contra quatro

Levantamento mostra que ex-presidente segue bem à frente do atual e que, no cenário atual, seria possível ganhar a corrida ao Planalto sem uma disputa no 2° turno

Publicidade

Uma pesquisa Ipec divulgada na noite desta quarta-feira (22) pelo Jornal Nacional, da TV Globo, indica que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva venceria a próxima eleição para o Palácio do Planalto já em 1° turno, ainda que na margem de erro na pior das hipóteses. De acordo com levantamento, Lula vence de 45% a 40% contra nove candidatos e de 48% a 37% contra quatro.

Lula (PT) aparece com 48% das intenções de voto, enquanto Jair Bolsonaro (sem partido) está com 23%. Na sequência aparecem Ciro Gomes, do PDT, (8%), João Doria, do PSDB, (3%) e Luiz Henrique Mandetta, do DEM, (3%). Votos em branco e nulos totalizam 10%, enquanto 4% disseram não saber responder.

Publicidade

Dois cenários foram apresentados pelo Ipec aos eleitores. No primeiro deles, Lula mantém 11 pontos percentuais à frente da somatória de todos os outros candidatos, o que garantiria sua vitória em 1° turno com folga. Já no segundo, o ex-presidente petista aparece com 45% do total de intenções de voto, enquanto Jair Bolsonaro é a preferência de 22%, seguido por Ciro Gomes (6%), Sergio Moro (5%), Datena (3%), João Doria (2%), Luiz Henrique Mandetta (1%) e Rodrigo Pacheco (1%). Ainda assim, Lula seria eleito em 1° turno, dentro da margem de erro.

O levantamento foi realizado entre os dias 16 e 20 de setembro, com 2002 entrevistados em 141 municípios de todas as regiões brasileiras, com margem de erro de 2 pontos percentuais para mais ou para menos e com 95% de confiança.

Publicidade
Publicidade
Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR