Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
05 de outubro de 2018, 22h19

PT e PSOL quase fecharam acordo por candidatura única no Rio

A articulação não foi em frente, pois esbarrou na recusa de Márcia Tiburi, candidata ao governo pelo PT, que não concordou em abrir mão da disputa

Foto: Reprodução/Twitter

Uma costura entre as cúpulas do PT e PSOL, visando uma composição entre os dois partidos para as eleições no Rio de Janeiro, não foi adiante por muito pouco. A ideia era que, diante do cenário atual, o PSOL passaria a apoiar Lindbergh Farias (PT) para o Senado e, em contrapartida, o PT se juntaria a Tarcísio Mota (PSOL) para o governo do estado, com o objetivo de fortalecer ambas as candidaturas.

A articulação não foi em frente, pois esbarrou na recusa de Márcia Tiburi, candidata ao governo pelo PT, que não concordou em abrir mão da disputa.

A história começou a ganhar contornos há dois dias. Os resultados das últimas pesquisas eleitorais passaram a preocupar todo o campo progressista do Rio de Janeiro.

A partir daí, teve início um diálogo no sentido de que fosse viabilizada uma espécie de parceria entre os dois partidos. A situação cresceu mais ainda, depois da divulgação do Datafolha desta quinta-feira (4).

Pelo levantamento do instituto, Lindbergh aparece correndo risco de não se reeleger ao Senado, ficando atrás de César Maia (DEM) e Eduardo Bolsonaro (PSL). E para o governo, com a saída de Anthony Garotinho, que teve sua candidatura impugnada, Eduardo Paes (DEM) e Romário (Podemos) ficaram em situação confortável.

Entretanto, se fossem somadas as intenções de voto de Tarcísio (9%) e Márcia Tiburi (5%) o número chegaria bem perto da porcentagem de Romário (16%), o que abriria possibilidade de o candidato do campo progressista brigar por uma vaga no segundo turno.

Os presidentes nacionais dos dois partidos, Gleisi Hoffmann (PT) e Juliano Medeiros (PSOL), se envolveram diretamente nas negociações. Além deles, outros membros representativos dos partidos se engajaram nas conversas, como Marcelo Freixo (PSOL) e o próprio Lindbergh.

Para bater o martelo foi marcada uma reunião para esta sexta-feira (5), no Rio de Janeiro, na qual todos os envolvidos foram convidados, inclusive Márcia Tiburi. O PT estava disposto a aceitar a união e o PSOL também, por ampla maioria.

Márcia Tiburi, segundo a fonte desta matéria, não apareceu, não justificou a ausência e não aceitou a composição entre os partidos.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum