Fórumcast #20
21 de agosto de 2018, 10h26

Que Otavinho seja lembrado pelo que fez de positivo, mas também de negativo

Sua Folha, foi o primeiro jornal a assumir editorialmente a defesa de direitos humanos. Mas, na economia e na política, nunca pestanejou em defender os extratos mais ricos da sociedade, o rentismo e a agenda neoliberal

Otávio Frias Filho. Foto: Reprodução FAcebook

Por Renata Mielli*

Otavinho, como era conhecido, foi um dos donos de jornais mais paradigmáticos da história recente. Conduziu seu jornal com um olho no mercado e outro na opinião. Fez reformas importantes para o jornalismo, obrigando outros impressos tradicionais a se renovarem.

Sua Folha, foi o primeiro – talvez um dos poucos – jornal a assumir editorialmente a defesa de direitos humanos. Mas, na economia e na política, nunca pestanejou em defender os extratos mais ricos da sociedade, o rentismo e a agenda neoliberal.

Foi o seu jornal que classificou a ditadura militar de Ditabranda e, ao fazer isso, jogou na lata do lixo toda essa postura progressista que tentou cultivar. Um amigo jornalista lembrou ontem do almoço em que o diretor de redação da Folha humilhou Lula ao perguntar se ele seria mesmo candidato a presidente mesmo sem saber inglês ou possuir um diploma de nível superior. Lula se levantou e foi embora.

Otávio era arrogante, era um dos expoentes da elite econômica cultural, e agia como tal. Seu jornal adotou nos últimos anos a mesma linha dos outros veículos da mídia hegemônica tradicional – contribuiu para a criminalização da política, para cindir a sociedade, espalhando preconceito e ódio. Foi esse jornal que num “furo de reportagem” estampou em manchete de capa uma ficha falsa de Dilma Rousseff no período da ditadura, em plena campanha eleitoral de 2014.

Veja também:  “The Guardian” chama Bolsonaro de “segundo Trump” e critica “retórica ofensiva” do brasileiro

Naquela ocasião, a preocupação com a desinformação (fake news) ainda não tinha virado moda. Se tivesse, certamente a etiqueta que esta notícia receberia das agências de checagem seria falso. A nossa moral cristã tem uma mania de, depois da morte, canonizar as pessoas. Que Otavinho seja lembrado pela história pelo que fez de positivo, mas também pelo que fez de negativo para o jornalismo e para o Brasil.

*Jornalista, coordenadora geral do Fórum Nacional pela Democratização da Comunicação e secretária geral do Centro de Estudos da Mídia Alternativa Barão de Itararé.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum