Queiroz articulou plano de fuga com Adriano da Nóbrega e advogado de Flávio Bolsonaro, afirma MP

Márcia de Aguiar, esposa do ex-assessor, chegou a se encontrar pessoalmente com a mãe do miliciano e advogado para "receber instruções"

O Ministério Público do Rio localizou mensagens nos celulares de Fabrício Queiroz e sua esposa, Márcia de Aguiar, que apontam para “um plano de fuga organizado para toda a família do operador financeiro que contaria com a atuação do então foragido Adriano Magalhães da Costa Nóbrega”.

O conteúdo das mensagens foi repassado pelo MP ao juiz Flávio Itabaiana Nicolau, da 27ª Vara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio, responsável pelo pedido de prisão de Queiroz e Márcia nesta quinta-feira (18). A informação é do jornal O Globo.

Márcia chegou a se encontrar pessoalmente em Minas Gerais com Raimunda Magalhães Veras, mãe de Adriano da Nóbrega, miliciano acusado de chefiar o “Escritório do Crime” e morto em fevereiro deste ano. Na reunião, também estava o advogado Luis Botto Maia, ligado a Flávio Bolsonaro.

O encontro, segundo os investigadores, ocorreu em 3 de dezembro do ano passado e foi precedido de uma reunião com Fabrício Queiroz e o advogado Frederick Wassef, que defende Flávio e o presidente Jair Bolsonaro.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, nas mensagens detectadas pelo MP, Queiroz orienta a esposa a se encontrar Botto Maia para “receber instruções”. No dia 30 de novembro, Raimunda pede para que Márcia a encontre pessoalmente em Astolfo Dutra, cidade mineira localizada a 273 km do Rio de Janeiro.

Botto Maia atuou na campanha de Flávio Bolsonaro ao Senado em 2018 e, no ano passado, foi representante legal do filho do presidente junto ao MP-RJ no acompanhamento da investigação do caso da “rachadinha”.

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR