Rachadinhas: STJ atende defesa de Flávio Bolsonaro e anula quebra de sigilo do senador

Filho do presidente foi denunciado pelo MP-RJ, junto com Fabrício Queiroz, pelos crimes de organização criminosa, peculato e lavagem de dinheiro

Por 4 votos a 1, a Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu, nesta terça-feira (23), atender a um recurso da defesa do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) e anular a quebra de sigilo fiscal e bancário do senador no âmbito das investigações das “rachadinhas” em seu gabinete quando era deputado estadual.

A quebra de sigilo de Flávio e outras cem pessoas, entre assessores e funcionários, envolvidas no esquema de desvio de dinheiro público havia sido determinada pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) em 2019.

Votaram favoravelmente à anulação da quebra de sigilo de Flávio os ministros João Otávio Noronha, Reinaldo Soares da Fonseca, Ribeiro Dantas e Joel Ilan Parcionik, que divergiram do relator do caso, o ministro Felix Fischer.

A votação foi paralisada, já com maioria em favor e Flávio, e será retomada na próxma semana para análise de mais recursos da defesa do senador.

1 milhão com o esquema

O senador Flávio Bolsonaro acumulou um patrimônio ilícito, entre 2010 e 2014 por meio da “rachadinha” que soma quase R$ 1 milhão. A afirmação é do Ministério Público do Rio de Janeiro.

O valor está na denúncia apresentada em novembro de 2020 ao Órgão Especial do Tribunal de Justiça do Rio e se refere à diferença entre as despesas da família do senador e a renda declarada pelo casal no período.

De acordo com o MP-RJ, Flávio e sua esposa não teriam como explicar gastos que somam R$ 977,6 mil no intervalo de cinco anos. Boa parte deles foi feito por meio de pagamento em dinheiro vivo ou a partir das contas do casal após serem abastecidas por depósitos em espécie.

Publicidade

A defesa do senador nega as acusações afirma que a denúncia contém “erros matemáticos”.​

A acusação não reúne todas as suspeitas que recaem sobre o senador. A movimentação financeira da loja de chocolate de Flávio ainda segue sob investigação. A Promotoria suspeita que ele tenha lavado até R$ 1,6 milhão por meio do estabelecimento.

Publicidade

Flávio, ex-deputado estadual, é acusado de desviar R$ 6,1 milhões dos cofres públicos, valor referente à soma de seus 12 ex-assessores na Assembleia Legislativa do Rio que, de acordo com a Promotoria, não trabalhavam.

Desse total, R$ 2,08 milhões foram repassados para as contas do policial militar aposentado Fabrício Queiroz, apontado como operador financeiro do esquema. Outros R$ 2,15 milhões foram sacados pelos ex-assessores-fantasmas. Os investigadores afirmam que esse dinheiro também foi disponibilizado para a suposta organização criminosa, embora não indiquem evidências da entrega.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR