Reitor do Mackenzie censura debate com a participação de Boulos

Coordenador do MTST revela que, apesar da arbitrariedade, o evento que discutirá a reforma da Previdência acontecerá na rua, em frente à universidade

Benedito Guimarães Aguiar Neto, reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie, censurou a realização de um debate, nesta quarta-feira (22), que discutiria a reforma da Previdência.

O evento, organizado pelos alunos, aconteceria na instituição e teria a participação de Guilherme Boulos (PSOL), coordenador do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

Apesar da decisão arbitrária, Boulos, em vídeo veiculado nas redes sociais, deixou claro que o debate ocorrerá: “Fomos informados que o reitor do Mackenzie determinou a proibição do nosso debate hoje na universidade. Gesto autoritário, de desrespeito à pluralidade. Não aceitaremos. O debate está mantido e vai ser na rua! Em frente ao Mackenzie. Vamos!”, declarou.

Boulos também rebateu o argumento do reitor de que o debate seria partidarizado. “A professora Zélia Pierdoná é favorável à reforma da Previdência e uma das professoras convidadas. É um completo absurdo”.

“Fascistinha”

Durante o mês de março, depois de protesto de estudantes do Mackenzie, em que foi chamado de “fascistinha”, Jair Bolsonaro cancelou a ida ao local e transferiu a agenda para o Comando Militar do Sudeste. O fato foi lembrado por Boulos.

Depois disso, em abril, a reitoria do Mackenzie, arbitrariamente, censurou a participação das editoras Boitempo e Contracorrente na Feira de Livros, organizada pelo Centro Acadêmico João Mendes Jr.

Assistam ao vídeo onde Boulos denuncia a censura: 

Publicidade

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR