Fórumcast #20
18 de abril de 2019, 22h21

Reitoria da Universidade Mackenzie censura Boitempo e Contracorrente

Em nota de repúdio, editoras esclarecem que ambas “ostentam um consistente catálogo na área do Direito, composto, aliás, por obras de professores da Faculdade de Direito do Mackenzie”

Foto: Divulgação

A Universidade Presbiteriana Mackenzie, por meio de sua Reitoria, arbitrariamente censurou a participação das editoras Boitempo e Contracorrente na Feira de Livros, organizada pelo Centro Acadêmico João Mendes Jr., em São Paulo.

De acordo com o órgão representativo dos alunos, a Reitoria da instituição justificou a medida dizendo que as duas editoras não têm em seu acervo “livros doutrinários e legislação de uso acadêmico”.

Em março, a Mackenzie já havia se envolvido em polêmica. A Reitoria tinha convidado Jair Bolsonaro para visitar a instituição e, por isso, emitiu um comunicado para que os alunos vestissem roupas verde e amarelo em apoio ao presidente. Após essa iniciativa, Bolsonaro foi obrigado a cancelar a visita em consequência dos protestos organizados por estudantes.

A Boitempo e Contracorrente divulgaram, nesta quinta-feira (18), uma nota de repúdio à decisão da Reitoria.

Vejam abaixo a íntegra da nota:

Feira de Livros do Centro Acadêmico João Mendes Jr. – Nota de repúdio

Nesta semana ocorre a Feira de Livros do Centro Acadêmico João Mendes Jr., órgão representativo das alunas e dos alunos da Faculdade de Direito da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Veja também:  Caso Queiroz: Bolsonaro pediu a demissão de superintendente da PF no RJ

Da lista de editoras convidadas a participar da feira, duas foram vetadas pela Reitoria: Boitempo e Contracorrente. Duas editoras que, de maneira aberta e franca, estão engajadas na disseminação de pensamento crítico no Brasil, inclusive no âmbito jurídico, são as atingidas pela decisão.

Segundo o Centro Acadêmico, a Reitoria assim o fez porque Boitempo e Contracorrente não trabalham com “livros doutrinários e legislação de uso acadêmico”. Talvez tivesse sido melhor não motivar a decisão, tamanho o absurdo. Ambas as editoras ostentam um consistente catálogo na área do Direito, composto, aliás, por obras de professores da Faculdade de Direito do Mackenzie.

Lamentamos profundamente a ocorrência de tal episódio no ambiente universitário, onde, por definição, deve prevalecer o pluralismo de ideias, e registramos publicamente o nosso mais veemente repúdio a este ato de censura.

Editoras Contracorrente e Boitempo Editorial

Com informações do GGN


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum