O que o brasileiro pensa?
03 de junho de 2020, 06h51

Responsáveis por movimentos pró-democracia rejeitam participação de Sergio Moro

Em artigo, ex-ministro volta a atacar Jair Bolsonaro e chama presidente de "populista com lampejos autoritários"

O ministro Sérgio Moro - Foto: Reprodução/YouTube

Apesar de seus posicionamentos contra o governo de Jair Bolsonaro, o ex-ministro Sergio Moro ainda não tem espaço para participar dos movimentos pró-democracia que têm ganhado força nos últimos dias. Articuladores apontam um possível “constrangimento” se Moro se juntasse aos grupos, destacando que há diferenças irreconciliáveis com o ex-juiz.

“Entrarão todos, menos os fascistas. Moro, fora. É o limite”, diz o jornalista Juca Kfouri, um dos articuladores do movimento “Juntos pela Democracia”, em entrevista ao Painel, da Folha de S.Paulo.

No “Basta”, que reúne advogados e juristas, e opinião é similar. “Natural que exista constrangimento com a adesão de algumas pessoas. Estas mesmas figuras são responsáveis diretas por parte importante das mazelas do país”, diz o advogado Marco Aurélio Carvalho, um dos articuladores do movimento.

“Não se pode esquecer que o bolsonarismo é filho legítimo da Lava Jato e do golpe de 2016”, completa.

Já Eduardo Moreira, que a partir da constatação de que 70% da população não apoia Bolsonaro iniciou a mobilização online #Somos70porcento, disse à Folha de S. Paulo que não se trata exatamente de um movimento, mas um cálculo matemático sobre aqueles que rejeitam o atual governo.

À Fórum, Moreira deixou claro que, mesmo que Moro hoje se coloque contra Bolsonaro, pensa diametralmente diferente do ex-ministro da Justiça.

“Contra o populismo”

Em artigo publicado nesta quarta-feira (3) no jornal O Globo, o ex-ministro volta a atacar o presidente. No texto, Moro acusa o governo Bolsonaro de praticar o “populismo com lampejos autoritários” e reforça a importância da autonomia dos órgãos policiais.

O ex-juiz foi responsável por denunciar uma possível interferência política de Bolsonaro na Polícia Federal, o que gerou ao presidente uma investigação no Supremo Tribunal Federal (STF).

“Dentro do modelo do estado de direito o governo é de leis, não do arbítrio do governante ou de interesses especiais”, diz o texto. “Os órgãos do Estado, afinal, têm sua atuação regrada pela lei e por finalidade atender o bem-estar comum e não cumprir os caprichos e arbítrios do governante do momento. Políticos populistas tendem a ignorar tal distinção”, continua.

“Não é o caso de falar em totalitarismo ou mesmo em ditadura, no presente momento, mas o populismo, com lampejos autoritários, está escancarado”, diz outro trecho.

Em seguida, Moro diz que “o quadro é muito ruim” e que governo manipula a opinião pública, “estimulando ódio e divisão entre a população”.

“Para tanto, políticas públicas racionais e previsíveis são imperativas. Crises diárias, ameaças autoritárias, instabilidade, ódio, divisões, nada disso é positivo”, afirma.

*Matéria atualizada às 18h08 em 03/06/2020 para correção de informação


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum