Fórumcast, o podcast da Fórum
03 de setembro de 2019, 09h54

Ricardo Salles dá entrevista a youtuber fascista para “melhorar” imagem da Amazônia no exterior

"A média de QI de um africano subsaariano está abaixo de 70, eles nunca vão atingir os patamares de um país de primeiro mundo", tuitou em janeiro o youtuber canadense Stefan Molyneux, que já entrevistou Olavo de Carvalho

Ricardo Salles sendo entrevistado por Stefan Molyneux. (Foto: Reprodução/YouTube)

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, deu entrevista ao youtuber canadense Stefan Molyneux, conhecido por promover visões racistas, machistas e fascistas nas redes sociais. Com o título “A Amazônia não está queimando”, a entrevista de quase meia hora foi publicada nesta segunda-feira (2) no canal do YouTube de Molyneux, o “Freedomain Radio”, que já teve como um de seus entrevistados o guru do bolsonarismo, Olavo de Carvalho.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

Na entrevista, o youtuber pergunta, ironicamente e rindo, porque o ministro está “matando o planeta voluntariamente e sem motivo algum”. Como resposta, Salles diz que essa informação não é verdade e que a Amazônia estaria 84% preservada. “Desde o descobrimento do Brasil pelos portugueses, apenas 16% foi devastado”, disse o ministro. Em seguida, Molyneux disse estar chocado com esse dado e alega que as pessoas “precisam ter acesso a essa informação”.

Apesar de Salles defender que a Amazônia permanece preservada e insistir em naturalizar o aumento dos incêndios na região, dados do Inpe continuam a mostrar o contrário. De acordo com o Instituto, as queimadas no bioma tiveram um avanço de 196% em agosto de 2019, atingindo nada menos do que 30.901 focos ativos, contra 10.421 em relação ao mesmo período de 2018.

Racismo nas redes
Ricardo Salles concedeu entrevista a uma pessoa que coleciona comentários racistas e machistas nas redes sociais. “Incluindo filhos, netos e bisnetos, as mulheres americanas terão, em média, 14 descendentes. As mulheres africanas terão 258. Todos nós sabemos o que está por vir”, escreveu Molyneux em seu Twitter, em janeiro deste ano. Outro exemplo de frase racista proferida pelo youtuber também pode ser facilmente acessada através de suas redes sociais. “A média de QI de um africano subsaariano está abaixo de 70, eles nunca vão atingir os patamares de um país de primeiro mundo”, tuitou, também em janeiro.

“Stefan Molyneux é um misógino virulento e supremacista branco, com uma propensão a vomitar pontos de conversa extremistas no YouTube e no Twitter, mas ele se tornou um influente proeminente à direita, graças à amplificação que recebe de certas figuras e veículos de direita”, escreveu o site Media Matters, em março deste ano.

O advogado Jeff Nascimento também comentou o caso em suas redes sociais. Em sua publicação no Twitter, Jeff fez um compilado de alguns dos comentários racistas do apresentador:


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum