Roberto Ferreira Dias diz à CPI que foi aproveitado em concurso em regime de cotas para afrodescendentes

O deputado federal Orlando Silva (PCdoB) tuitou sobre o assunto: “tirem suas próprias conclusões”

O ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Ferreira Dias afirmou em resposta ao senador Humberto Costa (PT-PE), na CPI do Genocídio, nesta quarta-feira (7), que foi aprovado no cargo de auxiliar administrativo do governo do Paraná em concurso público e aproveitado nas vagas de afrodescendente.

O deputado federal Orlando Silva (PCdoB) tuitou sobre o assunto logo a seguir e comentou: “Mais uma descoberta da CPI: o senhor Roberto Dias prestou concurso e assumiu vaga de cotas reservadas a candidatos negros no Ministério. Tirem suas próprias conclusões”.

Pedido de propina

Dias foi chamado a depor na CPI após ter sido citado no depoimento do policial militar Luiz Paulo Dominguetti Pereira, que o acusou de pedir propina de US$ 1 por dose da vacina AstraZeneca. Dias nega as acusações.

A denúncia foi feita por Dominguetti, que se apresenta como representante da empresa Davati Medical Supply, com sede nos Estados Unidos. Em depoimento à CPI, ele afirmou ter recebido um pedido de propina para a compra de 400 milhões de doses do imunizante.

Exonerado da Diretoria de Logística do Ministério da Saúde após a acusação pelo governo federal, Dias foi aconselhado por parlamentares aliados a não atacar o governo hoje na CPI da Covid.

Pedido de investigação

A Ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Rosa Weber encaminhou à Procuradora-Geral da República (PGR) na manhã da última quinta-feira (1) um pedido de investigação contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ex-diretor Roberto Ferreira Dias.

O pedido foi enviado ao STF pela deputada Natália Bonavides (PT-RN), pois, a parlamentar aponta possível crime de prevaricação por parte do presidente da República.

Por sua vez, Roberto Dias deve ser investigado para conferir se ele cometeu o crime de associação criminosa, corrupção passiva e advocacia administrativa.

Publicidade

“Determino a abertura de vista dos autos à Procuradoria-Geral da República, a quem cabe a formação da opinio delicti em feitos de competência desta Suprema Corte, para manifestação no prazo regimental”, escreveu Weber.

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR