Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
23 de março de 2019, 08h45

Rodrigo Maia volta a criticar Bolsonaro: “O governo é um deserto de ideias”

Em entrevista ao Estado de S.Paulo, o presidente da Câmara foi contundente: “O Brasil precisa sair do Twitter e ir para a vida real. Ninguém consegue emprego, vaga na escola, creche, hospital por causa do Twitter”

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

“O governo é um deserto de ideias. Se tem propostas, eu não as conheço. Qual é o projeto do governo Bolsonaro fora a Previdência? Não se sabe”. O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) continua “batendo” no governo Bolsonaro.

Em entrevista às jornalistas Vera Rosa, Naira Trindade e Renata Agostini, de O Estado de S.Paulo, Maia fez duras críticas ao imobilismo da administração. Em sua avaliação, o ministro da Economia, Paulo Guedes, é “uma ilha” dentro do Executivo.

O presidente da Câmara enfatizou que o governo não tem projeto para o país além da reforma da Previdência. Nesta sexta-feira (23), Maia disse que não pretende mais fazer parte da articulação para a aprovação do projeto, em função de ataques que vem sofrendo por parte de Carlos Bolsonaro, via redes sociais.

Maia disse que vai continuar fazendo seu trabalho, mas fez várias críticas e advertiu que Bolsonaro precisa deixar o Twitter de lado.

Em relação à declaração do presidente, que comparou as dificuldades no relacionamento às brigas de um namoro, o deputado do DEM afirmou que, se Bolsonaro ficar sem conversar com ele até o fim do mandato, não haverá problema. “Não preciso falar com ele. O problema é que ele tem de conseguir várias namoradas no Congresso. São os outros 307 votos que ele precisa conseguir. Eu já sou a favor. Ele pode me deixar para o fim da fila”.

Alguns trechos da entrevista:

“Entendo que o governo eleito não pode terceirizar sua responsabilidade. O presidente precisa assumir a liderança, ser mais proativo. O discurso dele é: sou contra a reforma, mas fui obrigado a mandá-la ou o Brasil quebra. Ele dá sinalização de insegurança ao Parlamento. Ele tem que assumir o discurso que faz o ministro Paulo Guedes. Hoje, o governo não tem base. Não sou eu que vou organizar a base. O presidente da Câmara sozinho, em uma matéria como a reforma da Previdência, não tem capacidade de conseguir 308 votos”.

“O Brasil precisa sair do Twitter e ir para a vida real. Ninguém consegue emprego, vaga na escola, creche, hospital por causa do Twitter. Precisamos que o País volte a ter projeto. Qual é o projeto do governo Bolsonaro, fora a Previdência? Fora o projeto do ministro Moro? Não se sabe. Qual é o projeto de um partido de direita para acabar com a extrema pobreza? Criticaram tanto o Bolsa Família e não propuseram nada até agora no lugar. Criticaram tanto a evasão escolar de jovens e agora a gente não sabe o que o governo pensa para os jovens e para as crianças de zero a três anos. O governo é um deserto de ideias”.

“As pessoas precisam da reforma da Previdência e, também, que o governo volte a funcionar. Nós temos uma ilha de governo com o Paulo Guedes. Tirando ali, você tem pouca coisa. Ou pouca coisa pública. Nós sabemos onde estão os problemas. Um governo de direita deveria estar fazendo não apenas o enfrentamento nas redes sociais sobre se o comunismo acabou ou não”.

“Certamente, conheço a Câmara muito melhor do que o ministro Moro. E sei como eu posso ajudar o projeto sem atrapalhar a Previdência. O que me incomodou? O ministro passou da fronteira. Até acho que em uma palavra ou outra me excedi, mas, na média, coloquei a posição da Câmara. O governo quer fazer a nova política. Nós queremos participar da nova política”.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum