Rodrigo Pilha é solto e se encontra com a família

Ativista passou mais de três meses preso por protestar contra Bolsonaro; Pilha denunciou com exclusividade à Fórum que sofreu tortura na prisão

O ativista Rodrigo Pilha foi solto na noite deste sábado (10) e se encontrou com a família em Brasília (DF).

No final da tarde, Erico Grassi, irmão de Pilha comemorou nas redes a emissão do alvará de soltura: “VALEU A PRESSÃO! Saiu o alvará de soltura do @RODRIGOPILHA!!! A família e os advogados estão tratando dos trâmites burocráticos. Ainda não sabemos se ele irá hoje ou amanhã p/ casa!”.

Logo a seguir, a imagem de Pilha com a família ganhou as redes e foi compartilhada por diversos políticos e internautas.

O jornalista Rogério Tomaz, amigo de Pilha, postou foto do ativista já em casa, meia hora antes da final da Copa América entre Brasil e Argentina, com a camisa da Argentina: “O Rodrigo Pilha saiu meia hora antes do jogo e no final me ligou com a camisa do Crespo que dei de presente pra ele”.

Espancamento

Em 29 de abril, o Blog do Rovai revelou que Rodrigo Pilha, preso por estender uma faixa chamando o presidente Jair Bolsonaro de genocida, havia sido espancado e humilhado na prisão. Ele estava há exatos 41 dias detido, dormido no chão desde quando tinha sido privado de sua liberdade. Rovai conversou com diversas pessoas que têm proximidade com Pilha que não podia dar entrevistas e confirmou a informação que já havia sido publicada sem maiores detalhes num tuíte por Guga Noblat.

Enquanto esteve na Polícia Federal prestando depoimento, Rodrigo Pilha foi tratado de forma respeitosa, mas ao chegar no Centro de Detenção Provisória II, área conhecida como Covidão, em Brasília, alguns agentes já o esperavam perguntando quem era o petista.

A recepção de Pilha foi realizada com crueldade. Ele recebeu chutes, pontapés e murros enquanto ficava no chão sentado com as mãos na cabeça. Enquanto Pilha estava praticamente desmaiado, o agente que o agredia, e do qual a família e advogados têm a identificação, perguntava se ele com 43 anos não tinha vergonha de ser um vagabundo petista. E dizia que Bolsonaro tinha vindo para que gente como ele tomasse vergonha na cara.

Prisão com base na LSN

18 de março de 2021. Com base na Lei de Segurança Nacional (LSN), da ditadura militar, o ativista Rodrigo Pilha e mais quatro militantes foram presos pela Polícia Federal em Brasília. O motivo da detenção: eles estenderam uma faixa contra o presidente Jair Bolsonaro com a palavra “genocida” escrita. O desenho da faixa era baseado em uma charge do cartunista Aroeira, que também foi alvo de pedido de inquérito pelo advogado-Geral da União e ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, André Mendonça, com base na LSN.

Publicidade

Notícias relacionadas:

Sem justificativa, Justiça adia duas vezes saída de Rodrigo Pilha da prisão

Publicidade

Rodrigo Pilha, preso após estender faixa de “Bolsonaro genocida”, vai para o regime aberto

Caso Rodrigo Pilha expõe torturas e agressões em cadeia de Brasília

Em carta, Rodrigo Pilha denuncia que tortura que sofreu no cárcere é constante com outros presos: “Jamais vou me calar”

Juíza do Distrito Federal afasta policiais acusados de torturar Rodrigo Pilha

Lula recebe família de Rodrigo Pilha, ativista preso após estender faixa de “Bolsonaro genocida”

Rodrigo Pilha consegue “saidinha de Dia das Mães” e vai reencontrar a família

Direitos Humanos e tortura: o caso do ativista Rodrigo Pilha torturado na prisão

Brasil Wire repercute denúncia de tortura contra Rodrigo Pilha na prisão

Após denúncia de tortura, defesa de Rodrigo Pilha apresenta pedido de proteção

OAB aciona governo e Justiça do DF para cobrar ações sobre denúncia de tortura contra Rodrigo Pilha

Deputada do DF protocola pedido de informações sobre tortura a Rodrigo Pilha

Rodrigo Pilha é liberado para cumprir regime semiaberto em Brasília

Juiz contraria MP e nega liberdade para Rodrigo Pilha, preso após exibir faixa ‘Bolsonaro Genocida’

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR