Salles chama moradores da Chapada dos Veadeiros de “maconheiros”: “Opinião deles não tem relevância”

Ministro virou alvo de protesto ao visitar o local duas semanas após o início dos incêndios e dizer que está "na linha frente" do combate ao fogo

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, virou alvo de protesto de moradores da Chapada dos Veadeiros após sobrevoar o local neste sábado (10). Visita ocorre duas semanas após o início dos incêndios no parque nacional. Nas redes sociais, ele disse que está atuando “na linha de frente” no combate ao fogo, o que, segundo moradores, não é verdade.

“Estamos aqui, na linha de frente com os brigadistas do Ibama, ICMBio e Bombeiros no combate na Chapada dos Veadeiros”, escreveu Salles em publicação. Bombeiros afirmam que, após ações de combate noturnas e a ajuda da chuva, a maioria dos focos do incêndio na Chapada foi extinta. A corporação alerta, no entanto, que o risco de fogo na região ainda é crítico.

Confrontado sobre o protesto, Salles escreveu, em nota, que a “opinião de meia dúzia de maconheiros não tem relevância”.

De acordo com o G1, moradores da região distribuíram plaquinhas em Alto Paraíso com a escrita “fora Salles”. Em entrevista ao portal, uma das moradoras disse que o ministro chegou à região após semanas de incêndio, se “gabando” do trabalho realizado por brigadistas.

“Nós tivemos que fazer rifas, porque não temos verbas, para comprar lanches, combustível para transporte, para dar apoio para a galera que estava atuando no combate. Montamos pontos de apoio, sem estrutura, só com a mobilização de doações, e o ministro chega quando o fogo já estava praticamente extinto, se gabando do trabalho realizado”, disse.

Avatar de Luisa Fragão

Luisa Fragão

Jornalista.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR