Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
20 de janeiro de 2020, 16h54

Secretário de Bolsonaro terá cinco dias para se explicar por denúncias de corrupção

Juíza do DF atende solicitação do PSOL e estabelece prazo para ouvir Fábio Wajngarten; leia o despacho na íntegra

Fabio Wajngarten e Bolsonaro (Reprodução)

Fábio Wajngarten, chefe da Secretaria de Comunicação do governo Bolsonaro, terá cinco dias de prazo para se explicar sobre os contratos firmados entre a FW COmunicação e Marketing – na qual ele é dono – e empresas que foram beneficiadas com recursos do Governo Federal. A decisão, publicada na sexta-feira (20), é da juíza federal Solange Salgado, da 1ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal.

“Considerando-se a necessidade de obtenção de mais esclarecimentos acerca do assunto em pauta, notadamente (A) em razão da especificidade da matéria e das alegações mencionadas na causa de pedir próxima e remota, (B) que demandam o prévio estabelecimento do contraditório assegurado constitucionalmente[1] e no art. 9º, caput, do CPC[2] , e que deve subsidiar, em regra, as decisões judiciais; e (C) para que seja oportunizada à parte contrária o contraditório acerca dos fatos mencionados na causa de pedir, é imprescindível a oitiva da parte contrária, antes de apreciar o pleito de suspensão liminar do alegado ato lesivo impugnado”, diz despacho da magistrada.

O pedido de investigação foi protocolado pelo presidente do PSOL, Juliano Medeiros, e o líder do partido na Câmara, deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP), por meio de ação popular. O prazo dado pela magistrada passa a valer a partir da data de notificação de Wajngarten, que deve acontecer ainda nesta segunda-feira.

O esquema

A FW, empresa pertencente a Wajngarten que oferece ao mercado um serviço conhecido como Controle da Concorrência, é o centro do escândalo que estourou no governo envolvendo o secretário na última semana. A associação tem contratos com ao menos cinco empresas que recebem do governo, entre elas a Band e a Record – cujas participações na verba publicitária da Secom vêm crescendo.

O negócio, além de antiético, é ilegal. A legislação proíbe que integrantes da cúpula do governo mantenham transações comerciais com pessoas físicas ou jurídicas que possam ser afetadas por suas decisões. A prática implica conflito de interesses e pode configurar ato de improbidade administrativa, demonstrado o benefício indevido. Entre as penalidades previstas está a demissão do agente público.

Leia aqui o despacho de Salgado na íntegra


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum