Sem apresentação de provas, PF deve arquivar denúncias de Sérgio Moro contra Bolsonaro

Quando deixou o Ministério da Justiça, Sérgio Moro afirmou que apresentaria um "rico acervo" para provar a interferência de Bolsonaro na PF. Passados cinco meses, o ex-juiz da Lava Jato revela, mais uma vez, a falta de entendimento sobre provas

Cinco meses após prometer entregar um “rico acervo” envolvendo militares do alto escalão do governo que provaria a interferência de Jair Bolsonaro na Polícia Federal, o ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, deve passar por mais um constrangimento por ignorar o principalmente elemento de um inquérito criminal: justamente a apresentação de provas.

Segundo a coluna de Lauro Jardim, no jornal O Globo deste domingo (22), a Polícia Federal deve arquivar no mês que vem o inquérito sobre a denúncia apresentada por Moro para justificar sua saída do governo.

“Há um consenso na corporação que o inquérito será arquivado”, relata o jornal d’O Globo, afirmando ainda que o arquivamento abriria caminha para Bolsonaro nomear Alexandre Ramagem na direção da PF.

Moro, que condenou o ex-presidente Lula por “ato de ofício indeterminado” diante da falta de provas apresentadas pela Lava Jato no caso do Triplex do Guarujá, não teria apresentado nenhuma prova consistente da interferência de Bolsonaro na PF.

Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.