Sérgio Camargo: “Benedita da Silva acha que está lidando com um dos pretos vitimistas da senzala da esquerda”

Convidado pela deputada para uma audiência pública, o presidente da Fundação Palmares afirmou que não se senta à mesa para dialogar com “pretos racistas”

O presidente da Fundação Palmares Sérgio Camargo voltou a atacar, nesta quarta-feira (9), a deputada federal Benedita da Silva (PT-RJ), que o convidou para uma audiência da Comissão de Cultura da Câmara.

Após recusar o convite na segunda-feira com impropérios, Camargo desta vez xingou a deputada, a chamando de “ridícula”. Ele ainda afirmou que ela não estava “lidando um dos pretos vitimistas, vergonhosos e degradantes da senzala da esquerda”.

“Benedita da Silva disse que avalia ‘medidas cabíveis’ para punir minha recusa em participar de seu circo na Câmara. Ridícula! Acha que está lidando um dos pretos vitimistas, vergonhosos e degradantes da senzala da esquerda.”

Pretos racistas

Convidado por Benedita da Silva para uma audiência pública virtual da Comissão de Cultura da Câmara para debater a crise institucional da Fundação Palmares, Camargo, afirmou, nesta segunda-feira, pelo Twitter, que não iria, pois não se senta à mesa para dialogar com “pretos racistas”.

Camargo disse ainda: “cortei a mamata da negrada vitimista e artistas queridinhos da militância.”

“Não me sento à mesa para dialogar com pretos RACISTAS! Benedita da Silva me chama de “capitão do mato a mando do Bolsonaro”. Vá procurar sua turma! NÃO EXISTE CRISE INSTITUCIONAL NA PALMARES!

Crise institucional = cortei a mamata da negrada vitimista e artistas queridinhos da militância.”

Avatar de Julinho Bittencourt

Julinho Bittencourt

Jornalista, editor de Cultura da Fórum, cantor, compositor e violeiro com vários discos gravados, torcedor do Peixe, autor de peças e trilhas de teatro, ateu e devoto de São Gonçalo - o santo violeiro.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR